Política

Prefeito de Conquista defende Lúcio no comando do PMDB: "Ninguém pode tomar decisão sem ouvi-lo"

Após a prisão e o afastamento do ex-ministro Geddel Vieira da direção do PMDB, o ex-deputado estadual e atual prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (PMDB), afirmou que o presidente do partido em Salvador, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, não está isolado na legenda. [Leia mais...]

[Prefeito de Conquista defende Lúcio no comando do PMDB:
Foto : Reprodução/ Blog da Resenha Geral

Por Matheus Morais no dia 15 de Setembro de 2017 ⋅ 11:41

Após a prisão e o afastamento do ex-ministro Geddel Vieira da direção do PMDB, o ex-deputado estadual e atual prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (PMDB), afirmou que o presidente do partido em Salvador, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, não está isolado na legenda. Em entrevista ao Metro1, na quarta-feira (13), Herzem ainda disse que as portas do PMDB baiano estão abertas para o ministro Antonio Imbassahy (PSDB) e os deputados federais Arthur Maia (PPS) e Benito Gama (PTB), além do ex-governador e ex-prefeito de Guanambi, Nilo Coelho.

“Queremos trabalhar para trazer para o partido o ex-governador Nilo Coelho, o prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, e o deputado
Benito Gama. Ninguém pode tomar decisão isolada sem ouvir Lúcio. Essa não é a hora de bater em retirada”, disse.

Procurado pelo Metro1, o deputado Benito Gama negou a possibilidade. “Essas especulações cresceram sem nenhuma conversa comigo. Isso não procede”, explicou.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...