Política

Desaprovação de Lula cai e de Moro dispara, diz pesquisa

Dados divulgados pelo Barômetro Político, pesquisa que é realizada mensalmente e é considerada de credibilidade realizada pelo instituto Ipsos, apontam que o índice de aprovação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu neste mês de setembro em comparação com o mês passado e caiu de 66% para 59%. [Leia mais...]

[Desaprovação de Lula cai e de Moro dispara, diz pesquisa]
Foto : Agência Brasil

Por Paloma Morais no dia 24 de Setembro de 2017 ⋅ 08:55

Dados divulgados pelo Barômetro Político, pesquisa que é realizada mensalmente pelo instituto Ipsos, apontam que o índice de desaprovação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva caiu de 66% para 59% neste mês de setembro em comparação com o mês passado. O estudo aponta ainda que o percentual da sociedade que aprova o petista subiu de 32% para 40%, a maior alta registrada em dois anos de levantamento. Já o juiz federal  Sérgio Moro, que condenou Lula a 9 anos e seis meses de prisão, bateu o recorde de desaprovação desde 2015: 45% dos entrevistados não aprovam o juiz.

As entrevistas foram feitas entre os dias 1º e 14 deste mês, dias que antecederam e sucederam o depoimento do ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma Rousseff Antonio Palocci. No último dia 6, Palocci afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um "pacto de sangue" no qual a Odebrecht se comprometeu a pagar R$ 300 milhões em propinas ao PT entre o fim do governo Lula e os primeiros anos do Dilma.  

A pesquisa também colheu as impressões das pessoas sobre o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência em 2018. Conforme os dados, o percentual de rejeição ao deputado subiu de 56% para 63%, sendo a pior taxa em dois anos. A parcela que o aprova caiu de 21% para 19%.

Notícias relacionadas

[Sem acordo, CCJ adia mais uma vez reforma da Previdência]
Política

Sem acordo, CCJ adia mais uma vez reforma da Previdência

Por Alexandre Galvão no dia 17 de Abril de 2019 ⋅ 12:48 em Política

A proposta enviada ao parlamento em fevereiro pelo governo Jair Bolsonaro é considerada crucial pela equipe econômica para a recuperação das contas públicas