Política

Recibos de Lula são ʹsem margem à dúvidaʹ ideologicamente falsos, diz MP

A força-tarefa no Paraná da Operação Lava Jato disse ao juiz federal Sérgio Moro que ‘sem margem à dúvida’ os recibos apresentados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para comprovar o pagamento de aluguel do apartamento 121, do edifício Hill House, em São Bernardo do Campos (SP), são ‘ideologicamente falsos’. [Leia mais...]

[Recibos de Lula são ʹsem margem à dúvidaʹ ideologicamente falsos, diz MP]
Foto : Ricardo Stuckert

Por Laura Lorenzo no dia 06 de Outubro de 2017 ⋅ 14:21

A força-tarefa no Paraná da Operação Lava Jato disse ao juiz federal Sérgio Moro que ‘sem margem à dúvida’ os recibos apresentados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para comprovar o pagamento de aluguel do apartamento 121, do edifício Hill House, em São Bernardo do Campos (SP), são ‘ideologicamente falsos’. O Ministério Público Federal entrou com um incidente de falsidade para averiguar a autenticidade dos documentos entregues pela defesa do petista e cobrar os recibos originais.

“Sem margem à dúvida que os recibos juntados pela defesa de Luiz Inácio Lula da Silva são ideologicamente falsos, visto que é simulada a relação locatícia representada pelo engendrado contrato de locação”, disse a Procuradoria-Geral da República ao juiz.

O ex-presidente é reu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em uma ação penal sobre supostas propinas da Odeberecht. Os procuradores sustentam que a Odebrecht custeou a compra do apartamento, em nome do engenheiro Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Lula responde ainda, na mesma ação, por ter, supostamente, recebido da empreiteira terreno onde seria sediado o Instituto Lula, no valor de R$ 12,5 milhões.

Comentarios

Notícias relacionadas

[TSE quer pacto com Google e Facebook contra fake news]
Política

TSE quer pacto com Google e Facebook contra fake news

Por Metro1 no dia 19 de Junho de 2018 ⋅ 13:00 em Política

Iniciativa é similar a um acordoacertado entre a Corte e dez partidos para “manutenção de um ambiente eleitoral imune de disseminação de notícias falsas”