Política

Indicado por Dilma ao STF se defende de acusação de exercer advogacia privada

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Juliana Almirante no dia 11 de Maio de 2015 ⋅ 14:16

Indicado pela presidente Dilma Rousseff (PT) para vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), o jurista Luiz Edson Fachin se defendeu, em vídeo publicado na internet, às acusações de que exerceu advocacia privada enquanto era procurador do Paraná, entre 1990 e 2006. O nome de Fachin ainda deve ser aprovado em sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, marcada para esta semana, e depois pelo plenário da Casa. 

No vídeo, Fachin explica que, quando ele fez o concurso para procurador, uma lei complementar no Paraná permitia a simultaneidade do cargo de procurador com a advocacia privada. "Não houve nenhuma irregularidade no período em que, com honra, eu atuei na condição de procurador do estado do Paraná, no período de 1990 a 2006, quando deixei os quadros da procuradoria", disse.

Notícias relacionadas

[Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio]
Política

Dodge pede mais 60 dias para investigação sobre Aécio

Por Marina Hortélio no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 16:00 em Política

Inquérito que investiga o senador por suposto recebimento de valores indevidos pela Construtora Norberto Odebrecht para a campanha eleitoral de 2014

[Moro pede exoneração do cargo de juiz ]
Política

Moro pede exoneração do cargo de juiz 

Por Alexandre Galvão no dia 16 de Novembro de 2018 ⋅ 13:33 em Política

No documento, o futuro ministro da Justiça alegou que é notório o convite e aceite para a assumir a pasta em 2019