Política

Indicado por Dilma ao STF se defende de acusação de exercer advogacia privada

[Imagem not found]
Foto : Divulgação

Por Juliana Almirante no dia 11 de Maio de 2015 ⋅ 14:16

Indicado pela presidente Dilma Rousseff (PT) para vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), o jurista Luiz Edson Fachin se defendeu, em vídeo publicado na internet, às acusações de que exerceu advocacia privada enquanto era procurador do Paraná, entre 1990 e 2006. O nome de Fachin ainda deve ser aprovado em sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, marcada para esta semana, e depois pelo plenário da Casa. 

No vídeo, Fachin explica que, quando ele fez o concurso para procurador, uma lei complementar no Paraná permitia a simultaneidade do cargo de procurador com a advocacia privada. "Não houve nenhuma irregularidade no período em que, com honra, eu atuei na condição de procurador do estado do Paraná, no período de 1990 a 2006, quando deixei os quadros da procuradoria", disse.

Notícias relacionadas

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari

[Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20 em Política

Campanha do tucano atacou proposta de Paulo Guedes e associou polarização à transformação do Brasil em uma "nova Venezuela"