Política

Justiça bloqueia R$ 137 milhões da empreiteira Mendes Júnior

A Justiça Federal determinou bloqueio de bens da Construtora Mendes Júnior no valor de R$ 137,5 milhões. A medida foi requerida pelo Ministério Público Federal (MPF), com base nas investigações da Operação Lava Jato. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução

Por Juliana Almirante no dia 30 de Maio de 2015 ⋅ 09:32

A Justiça Federal determinou bloqueio de bens da Construtora Mendes Júnior no valor de R$ 137,5 milhões. A medida foi requerida pelo Ministério Público Federal (MPF), com base nas investigações da Operação Lava Jato. A decisão atinge o ex-vice presidente da empreiteira Sergio Mendes e quatro ex-funcionários da empresa. O cálculo dos valores é baseado em depoimentos de delação premiada de investigados, que relatam que o pagamento de propina correspondia a 1% dos contratos assinados com a Petrobras.

A Justiça Federal em Curitiba também abriu nesta semana ação contra a empreiteira Engevix e seis investigados na Lava Jato por improbidade administrativa. O Ministério Público Federal propôs cobrar R$ 38,4 milhões por supostos desvios de recursos em contratos da Petrobras. É a primeira ação civil aberta contra empresas investigadas. A força-tarefa que atua nas investigações da Operação Lava Jato já conseguiu bloquear na Justiça quase R$ 1 bilhão de quatro empreiteiras acusadas de desviar recursos da estatal. 

Notícias relacionadas

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari

[Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20 em Política

Campanha do tucano atacou proposta de Paulo Guedes e associou polarização à transformação do Brasil em uma "nova Venezuela"