Política

Palocci foi o ‘porta-voz’ da propina para Delfim, diz procurador

Delfim Netto e seu sobrinho, o empresário Luiz Appolonio Neto, são alvos de busca na Operação Buona Fortuna, 49.ª fase da Lava Jato. [Leia mais...]

[Palocci foi o ‘porta-voz’ da propina para Delfim, diz procurador]
Foto : Antonio Cruz/ ABr

Por Clara Rellstab no dia 09 de Março de 2018 ⋅ 16:40

O procurador Athayde Ribeiro Costa, do Ministério Público Federal (MPF), afirmou hoje que o ex-ministro Antonio Palocci foi o "porta-voz" de propinas sobre as obras da Usina de Belo Monte para o ex-ministro da Fazenda da ditadura Antonio Delfim Netto, para o PT e para o MDB.

O economista e seu sobrinho, o empresário Luiz Appolonio Neto, foram alvos de busca na Operação Buona Fortuna, 49ª fase da Lava Jato.

De acordo com o Estadão, Athayde Ribeiro Neto apontou que os pagamentos a Delfim Netto "foram efetuados parte em espécie, parte mediante depósitos em empresas de seu sobrinho Luiz Appolonio Neto e dele próprio em contratos fictícios".

Segundo a operação, já foram rastreados pagamentos que somam R$ 4,5 milhões de um total estimado em R$ 15 milhões, pelas empresas Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS e J. Malucelli, todas integrantes do Consórcio Construtor de Belo Monte, em favor de pessoas jurídicas relacionadas a Delfim Netto, por meio de contratos fictícios de consultoria.

Notícias relacionadas