Política

Para Wagner, PT errou em não aprovar reforma política em 2002

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, reconheceu durante a etapa baiana do 5º Congresso Nacional do PT, que ocorre este mês em Salvador, que o Partido dos Trabalhadores (PT) errou em não aprovar a reforma política em 2002. Wagner aproveitou a oportunidade para conclamar os petistas a seguirem como o profeta Moisés - que não se intimidou com as dificuldades e vagou pelo deserto por 40 anos, segundo a Bíblia. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/Agência Brasil

Por Bárbara Silveira no dia 31 de Maio de 2015 ⋅ 09:35

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, reconheceu durante a etapa baiana do 5º Congresso Nacional do PT, que ocontece em Salvador, que o Partido dos Trabalhadores (PT) errou em não aprovar a reforma política em 2002. Wagner aproveitou a oportunidade para conclamar os petistas a seguirem como o profeta Moisés, que não se intimidou com as dificuldades e vagou pelo deserto por 40 anos, segundo a Bíblia. "Fizemos um equívoco político de não termos assumido, em 2002, com o governo do Brasil e a liderança que a gente tinha, não termos desmontado a máquina de fazer política equivocada vigente no Brasil", disse durante o evento.

Segundo o ex-governador da Bahia, cabe ao PT e os demais partidos de esquerda no Senado modificarem o "crime" aprovado no Congresso Nacional. "Com todo respeito aos deputados que votaram, mas aquilo que foi aprovado não é uma reforma política, é um arremedo", afirmou ao A TARDE.

Notícias relacionadas

[Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país ]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 23 de Setembro de 2018 ⋅ 10:00 em Política

Presidenciável ressaltou que, embora seja visto como um político de "esquerda", ele defende a união entre "o Brasil que produz com o Brasil que trabalha".

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari