Política

ʹPrivilegia quem não fez dever de casaʹ, diz Barbosa sobre intervenção militar no RJ

Segundo ele, a melhor arma para combater a violência é a prevenção, mas “nenhum presidente deu sequência a um projeto de segurança nos últimos anos”. [Leia mais...]

[ʹPrivilegia quem não fez dever de casaʹ, diz Barbosa sobre intervenção militar no RJ]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Matheus Morais e Clara Rellstab no dia 16 de Abril de 2018 ⋅ 08:58

O secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, criticou a intervenção militar no Rio de Janeiro, em entrevista à Rádio Metrópole na manhã de hoje (16).

“A gente acha que a situação do Rio privilegia a irresponsabilidade. Em poucas palavras, estamos privilegiando quem não fez o dever de casa: 90% dos recursos da área de segurança estão indo para lá”, argumentou.

O titular da pasta, que voltou recentemente de Massachusetts, nos Estados Unidos, onde palestrou na Universidade de Harvard, comentou que há um debate intenso no governo federal sobre uma melhor distribuição nos recursos da área.

Segundo ele, a melhor arma para combater a violência é a prevenção, mas “nenhum presidente deu sequência a um projeto de segurança nos últimos anos”.

“Tiraram da gaveta o projeto de lei que seria a definição política nacional de segurança pública – o que é positivo, mas merece muitas melhoras. Esperamos que no Senado tenhamos uma eficácia maior”, opinou.

Notícias relacionadas

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari

[Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20 em Política

Campanha do tucano atacou proposta de Paulo Guedes e associou polarização à transformação do Brasil em uma "nova Venezuela"