Política

PTB e DEM desistem de fusão entre legendas

Dirigentes do Democratas (DEM) e do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) informaram no sábado (30) que desistiram da fusão negociada entre as duas siglas. Segundo os presidentes das legendas, não houve consenso interno em torno da divisão do comando da legenda que surgiria a partir da união. [Leia mais]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/ PTB

Por Juliana Almirante no dia 31 de Maio de 2015 ⋅ 18:34

Dirigentes do Democratas (DEM) e do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) informaram no sábado (30) que desistiram da fusão negociada entre as duas siglas. Segundo os presidentes das legendas, não houve consenso interno em torno da divisão do comando da legenda que surgiria a partir da fusão. O presidente nacional do PTB, deputado fededal Benito Gama (BA), comentou que existia uma expectativa de as duas legendas concluírem as negociações até esta sexta-feira (29), mas não houve consenso em relação à composição do diretório que seria formado após a união.

Segundo Gama, o DEM exigiu que os seus filiados tivessem uma participação maior no diretório nacional da nova agremiaçãp. “Tínhamos combinado 50% para cada diretório, e veio a proposta de 60% para o DEM. Não deu tempo de discutir”, explicou. Apesar da desistência, o presidente do PTB descartou um mal-estar entre os dirigentes dos dois partidos. “Ficou a experiência. Foi um bom diálogo. Não vai deixar sequelas.”

Notícias relacionadas

[Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país ]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 23 de Setembro de 2018 ⋅ 10:00 em Política

Presidenciável ressaltou que, embora seja visto como um político de "esquerda", ele defende a união entre "o Brasil que produz com o Brasil que trabalha".

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari