Política

Sidninho se afasta e Uziel assume mandato na Câmara

De acordo com o presidente estadual da legenda, o deputado federal João Carlos Bacelar, consultado pelo Metro1, o edil vai ficar fora do Legislativo até o fim do pleito e deve retornar ainda em outubro. [Leia mais...]

[Sidninho se afasta e Uziel assume mandato na Câmara]
Foto : Divulgação/CMS

Por Evilásio Júnior no dia 16 de Abril de 2018 ⋅ 15:10

O vereador Sidninho (Podemos) vai se afastar do mandato na Câmara Municipal de Salvador, a partir do próximo mês, para se dedicar à campanha do partido nas eleições deste ano.

De acordo com o presidente estadual da legenda, o deputado federal João Carlos Bacelar, consultado pelo Metro1, o edil vai ficar fora do Legislativo até o fim do pleito e deve retornar ainda em outubro.

No período, assumirá a vaga o primeiro suplente da sigla na Casa, o jornalista Uziel Bueno, embora seja candidato a deputado estadual. No plano local, o Podemos – que ficou com apenas um parlamentar na Assembleia Legislativa após a janela partidária – tem o objetivo de reeleger Jânio Natal e abocanhar pelo menos mais duas cadeiras.

Além de Uziel e Jânio, as principais apostas são Luizinho Sobral, José Trindade, Anilton Bastos (ex-prefeito de Paulo Afonso), Florzão (Pojuca), Maurício Bacelar, Rafael Moreira (Itabuna) e Elson Carvalho (Senhor do Bonfim).

No campo federal, a meta é reeleger o próprio Bacelar.

Notícias relacionadas

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari

[Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20 em Política

Campanha do tucano atacou proposta de Paulo Guedes e associou polarização à transformação do Brasil em uma "nova Venezuela"