Política

Senador diz que ódio é culpa dos políticos: ʹNão estamos à alturaʹ

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) comentou a intensificação do ódio nas redes sociais neste ano eleitoral. Em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, hoje (19), o parlamentar atribuiu o cenário de desunião no país aos políticos. [Leia mais...]

[Senador diz que ódio é culpa dos políticos: ʹNão estamos à alturaʹ ]
Foto : Reprodução/Agência Brasil

Por Gabriel Nascimento e Clara Rellstab no dia 19 de Abril de 2018 ⋅ 08:04

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) comentou a intensificação do ódio nas redes sociais neste ano eleitoral. Em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, o parlamentar atribuiu o cenário de desunião no país aos políticos.

"Eu vejo que o povo, às vezes, volta com esperança de trazer algo novo e as vezes com raiva das coisas velhas. Eu acho que essa raiva, isso é culpa nossa, dos políticos. O presente, realmente, não estamos trazendo esperanças de coisas novas", declarou.

De acordo com Cristovam, há uma dívida do Congresso com o país. "Faltam políticos e bons, filósofos no Brasil no sentido de propor alternativas de onde ir, como conduzir esse país. Os políticos, e eu me ponho entre eles, estamos em dívida com o povo do Brasil", salientou.

"A impressão é que nós não estamos à altura do momento em que o mundo muda. Continuamos com as mesmas ideias para o futuro. Não funciona. É um momento preocupante", acrescentou.

O senador destacou também a "falta de educação". "O debate está muito pobre e isso é fruto de uma má educação ao longo do tempo. Nós, os próprios políticos, temos até instrução, alguns, mas educação é diferente. Uma pessoa que é instruída, mas vê o mundo de longe, entende o mundo, não mergulha nesse mundo. Não é educado", concluiu.

Notícias relacionadas

[Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos]
Política

Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Setembro de 2019 ⋅ 10:40 em Política

Nova provocação entre os potenciais adversários nas eleições presidenciais de 2022 acontece em meio ao anúncio de investimentos da montadora Toyota em São Paulo