Política

Bolsonaro foi ‘mau militar’ e Haddad lançado ‘na porta da cadeia’, diz jornalista

Eliane Cantanhêde critica ainda Alckmin, por aliança com centrão e vinculação a Aécio e Doria

[Bolsonaro foi ‘mau militar’ e Haddad lançado ‘na porta da cadeia’, diz jornalista]
Foto : Reprodução / TV Estadão

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:00

A jornalista e colunista do Estadão, Eliane Cantanhêde, disse, em entrevista à Rádio Metrópole, que o cenário eleitoral brasileiro causa “muita preocupação” e condenou os dois candidatos que hoje estariam no segundo turno das eleições.

Para ela, Jair Bolsonaro (PSL) vende uma mensagem que engana o eleitor. “Tem um candidato da extrema-direita vendendo que basta ele assumir que tudo vai se resolver. A gente sabe que esse candidato foi um mau militar, é um mau político e não entende nada de economia e educação. Nunca administrou sequer um posto de gasolina”, afirmou.

Sobre Fernando Haddad (PT), a jornalista disse que foi uma candidatura  “lançada na porta da cadeia” e “desmoraliza todo grande fantástico processo que o Brasil produziu que é a Lava Jato”.

Após tomar a decisão de substituir Lula na chapa, o PT anunciou aos militantes em frente à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde o ex-presidente está preso desde 7 de abril.

Para Cantanhêde, o senador Aécio Neves (PSDB) é o “maior problema” de Geraldo Alckmin, que não consegue decolar nas pesquisas. O tucano mineiro é réu no Supremo Tribunal Federal por corrupção e obstrução de Justiça. “Além disso, tem o fator [João] Doria, que é afilhado dele e tentou sabotar a candidatura dele”, afirmou. “O Geraldo Alckmin teve o ônus de atrair o centrão. Ficou como um político das antigas, como se diz, e não teve o bônus, porque o enorme tempo de televisão não rendeu em nada”, acrescentou.

A colunista elogiou também a estrutura da campanha de Henrique Meirelles (MDB), mas ponderou que o ex-ministro da Fazenda "não se ajuda" e "não convence o eleitorado".

Notícias relacionadas