Política

Presidente do TRE explica motivo de Bahia liderar títulos cancelados

De acordo com José Edivaldo Rotondano, 70% estão entre mortos, transferidos e cidadãos desobrigados a votar

[Presidente do TRE explica motivo de Bahia liderar títulos cancelados]
Foto : Roberto Jayme/ASCOM/TSE

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 05 de Outubro de 2018 ⋅ 10:00

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral na Bahia, José Edivaldo Rotondano, explicou, em entrevista à Rádio Metrópole, o motivo de a Bahia liderar o número de títulos cancelados, com quase 600 mil pessoas. 

Segundo ele, mais de 35% foram anulados porque a maioria tem 60 anos e não é mais obrigada a comparecer às urnas. Outros 30%, de acordo com ele, tem o voto facultativo, já que tem entre 16 e 18 anos ou são analfabetos.

“Só aí você tem uma soma de quase 70% dos títulos cancelados. Os demais são falecidos e outros transferiram os domicílios eleitorais”, atenuou.

O chefe do TRE-BA admitiu ainda que a biometria pode postegar as votações, mas ressaltou que o eleitor só vai conseguir votar se chegar até 5 horas da tarde no domingo (7).

Segundo o desembargador, a previsão é de que cada cidadão fique, em média, dois minutos na urna. “A expectativa é, como a eleição vai se escolher seis cargos, que se prolongue mais do que o previsto. O horário da votação se encerra às 17 horas. Se todos comparecerem, isso pode prolongar mais um pouco a votação até 18h ou 19 horas”, ressaltou.

Rotondano salientou que, no caso de a biometria não funcionar, o eleitor também terá o direito a votar. “Eu na eleição passada não consegui pegar os meus dados biométricos. Então, eu votei na forma convencional. Se não conseguir pegar os dados biométricos, a pessoa vota normalmente e voto é computado”, pontuou.

Notícias relacionadas