Política

Futura ministra da Agricultura admite negócio com JBS, mas nega conflito de interesses

A parlamentar tem participação de um quinto na propriedade arrendada ao grupo e admitiu ter recebido doações indiretas

[Futura ministra da Agricultura admite negócio com JBS, mas nega conflito de interesses]
Foto : Zeca Ribeiro/Agência Câmara

Por Matheus Simoni no dia 08 de Novembro de 2018 ⋅ 13:00

Cotada para assumir o Ministério da Agricultura no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), a deputada Tereza Cristina (DEM-MS) admitiu hoje (8) ter negócios com o grupo JBS. No entanto, ela negou a existência de conflito de interesses. "Eu tenho uma propriedade, um condomínio com meus irmãos, sou inventariante e minha família arrenda um confiamento para a JBS, que é do lado da nossa propriedade. Isso há muitos anos", disse, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

A parlamentar tem participação de um quinto na propriedade arrendada ao grupo. Entretanto, Cristina negou conflito de interesses, ressaltando que não há nenhum desconforto em assumir o ministério.

"Eu não tive doação da JBS direta para mim, foi via, se não me engano, dois parlamentares do meu Estado. Não tenho problema. Tenho tranquilidade, as doações são legais", afirmou. O nome de Tereza Cristina foi levado a Bolsonaro por indicação de deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), presidida por ela.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro divulga texto que cita Brasil 'ingovernável']
Política

Bolsonaro divulga texto que cita Brasil 'ingovernável'

Por Matheus Simoni no dia 17 de Maio de 2019 ⋅ 14:55 em Política

O texto, que não tem autor conhecido, afirma que o País "está disfuncional", não por culpa de Bolsonaro, mas que "até agora (o presidente) não fez nada de fato, não aprov...

['Carlos sabe como manipular o pai', diz Bebianno]
Política

'Carlos sabe como manipular o pai', diz Bebianno

Por Juliana Rodrigues no dia 17 de Maio de 2019 ⋅ 12:40 em Política

"O presidente está perdendo quase todos os seus verdadeiros aliados por conta disso", analisou o ex-ministro, em entrevista à revista Veja