Política

MP pressiona AL-BA por criação de 500 cargos; deputados relutam 

A expectativa é de que amanhã (27), se os líderes formarem quórum, a Casa vote essa matéria e também o projeto que modifica as taxas cartoriais

[MP pressiona AL-BA por criação de 500 cargos; deputados relutam ]
Foto : Carlos Augusto / Divulgação

Por Alexandre Galvão no dia 26 de Novembro de 2018 ⋅ 17:30

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) tem pressionado os deputados estaduais pela criação de 500 cargos para o parquet. De acordo com informações obtidas pelo Metro1, desde que o projeto entrou em pauta, a chefe do órgão, Ediene Lousado, tem sido figura presente no Palácio Luis Eduardo Magalhães. 

A matéria, na Casa desde o mês passado, elimina ainda 117 cargos efetivos. O projeto não cria gastos, pois apenas muda a estrutura já existente no MP, mas deputados ouvidos pelo Metro1 dizem que a justificava não está clara. 

A expectativa é de que amanhã (27), se os líderes formarem quórum, a Casa vote essa matéria e também o projeto que modifica as taxas cartoriais. Esse segundo projeto, do Tribunal de Justiça da Bahia, está sobrestando a pauta. 

Em nota enviada ao Metro1, o MP afirmou que os cargos, na verdade, reduzem custos, uma vez que a medida permitirá uma economia de R$ 17 milhões ao longo de 15 anos, tendo em vista que a remuneração base de cada cargo de assessor técnico-jurídico, de símbolo CMP-2, é inferior à dos cargos efetivos. 

“A investidura nos 500 cargos de assessor técnico-jurídico será feita gradualmente, ao longo dos anos, de acordo com a disponibilidade orçamentária do Ministério Público e observância dos limites prudencial e de alerta. Conforme estudos realizados pela Instituição, a transformação dos cargos excedentes nos cargos de assessores técnicojurídicos não afetará a evolução da carreira dos servidores efetivos, estando, por exemplo, já garantidas as promoções e progressões para o ano de 2019”.

Notícias relacionadas

[Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA]
Política

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA

Por Juliana Almirante no dia 23 de Outubro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

No entanto, o terceiro filho do presidente negou que a conquista da liderança do PSL na Câmara Federal tenha sido o fator determinante para a decisão