Política

A pedido da PGR, Fachin abre processo para apurar caixa 2 de Onyx Lorenzoni

Delatores da JBS afirmam que fizeram dois repasses ao futuro chefe da Casa Civil: um de R$ 100 mil, em 2014, e outro de R$ 100 mil, em 2012

[A pedido da PGR, Fachin abre processo para apurar caixa 2 de Onyx Lorenzoni]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 04 de Dezembro de 2018 ⋅ 13:40

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a abertura de um processo para apurar o pagamento de caixa 2 do grupo J&F, dono da JBS, para o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), indicado como ministro-chefe da Casa Civil pelo presidente eleito Jair Bolsonaro.

A ação precede a abertura de um inquérito e atende a um pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para abrir dez processos com o objetivo de investigar o suposto pagamento de caixa 2 a parlamentares.

Os delatores da JBS disseram ter feito dois repasses a Onyx: um de R$ 100 mil, em 2014, e outro de R$ 100 mil, em 2012. O futuro ministro admitiu ter recebido a primeira quantia, mas nega o repasse mais recente.

Após a abertura do novo processo, caso Dodge considere que há elementos para prosseguir com uma investigação, ela poderá solicitar a abertura de um inquérito contra Onyx. Já se a procuradora considerar as provas insuficientes, a petição será arquivada.

Além de Onyx, os deputados Alceu Moreira (MDB-RS), Marcelo Castro (MDB-PI), Jerônimo Goergen (PP-RS), Paulo Teixeira (PT-SP) e Zé Silva (SD-MG), e dos senadores Ciro Nogueira (PP-PI), Eduardo Braga (MDB-AM), Renan Calheiros (MDB-AL) e Wellington Fagundes (PR-MT) são alvos da investigação.

Notícias relacionadas

[ACM Neto nega fusão do DEM com o PSL]
Política

ACM Neto nega fusão do DEM com o PSL

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Outubro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM avaliou que falta maturidade política aos membros da sigla de Jair Bolsonaro