Política

Moro foge de perguntas sobre investigação do Coaf contra família Bolsonaro 

O relatório cita movimentações entre contas de Fabrício Queiroz e de sua filha, Nathalia Melo de Queiroz, que era até o mês passado assessora lotada no gabinete de Jair Bolsonaro

[Moro foge de perguntas sobre investigação do Coaf contra família Bolsonaro ]
Foto : Valter Campanato/Agência Brasil

Por Alexandre Galvão no dia 07 de Dezembro de 2018 ⋅ 14:40

Ex-juiz federal e futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sério Moro se recusou a comentar as investigações com a família Bolsonaro iniciadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). 

O órgão revelou movimentação atípica no valor de R$ 1,2 milhão na conta de um assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Em anúncio na sede da transição de governo, Moro indicou os futuros chefes da Polícia Rodoviária Federal, o policial rodoviário federal Adriano Marcos Furtado, e da Secrataria Nacional do Consumidor, o advogado Luciano Benetti Timm, mas deixou o local sem responder à pergunta sobre o documento do Coaf.

Foi o primeiro contato com a imprensa após o Estado revelar o relatório sobre transações de Fabrício José Carlos de Queiroz. Policial militar, Queiroz era registrado como assessor parlamentar, mas também atuava como motorista e segurança de Flávio Bolsonaro. Foi exonerado do gabinete do senador eleito no dia 15 de outubro deste ano.

Uma das transações na conta de Queiroz citadas no relatório do Coaf é um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama Michele Bolsonaro. A compensação do cheque em favor da mulher do presidente eleito Jair Bolsonaro aparece na lista sobre valores pagos pelo PM.

Nesta sexta-feira, o Estado revelou que o mesmo relatório cita movimentações entre contas de Fabrício Queiroz e de sua filha, Nathalia Melo de Queiroz, que era até o mês passado assessora lotada no gabinete do deputado federal e agora presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Notícias relacionadas