Política

Filósofo diz que Brasil é ‘reunião de pessoas altamente violentas’ 

Ainda de acordo com o estudioso, “ser professor nas periferias do Brasil é um ato heroico”

[Filósofo diz que Brasil é ‘reunião de pessoas altamente violentas’ ]
Foto : Reprodução / Youtube

Por Alexandre Galvão no dia 14 de Março de 2019 ⋅ 08:31

Após o massacre que fez 10 vítimas em São Paulo, o filósofo Roberto Romano analisou a formação do povo brasileiro. Para ele, o Brasil “nunca deixou de ser uma reunião de pessoas altamente violentas”. 

“Tem uma violência que permeia toda a sociedade. Isso tem sido mantido pelas elites, através de jagunços. Você lembra dos coronéis no interior. Com a urbanização, isso piorou. Teve uma concentração de pobres em alguns lugares como favelas e uma ausência do Estado em áreas da Educação. […] Infelizmente, temos que dizer que a campanha presidencial do Bolsonaro incentivou isso. Você vê a receita do caos, o retorno da barbárie”, analisou, em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole

Ainda de acordo com o estudioso, “ser professor nas periferias do Brasil é um ato heroico”. “Quando um senador, major, estimula que professores tenham armas, ele prova que conhece bem de quartel, mas não conhece as periferias do Brasil”. 

Para Romano, um dos remédios contra o caos no país é a liberdade de imprensa. “Na Europa você vê setores querendo acabar com a liberdade de imprensa. Essa receita é tão antiga como o ser humano. Eu visito escolas e vejo não só um abandono do Estado, mas pelos interessados. Muitos pais que hoje estão escandalizados, deixam de ir à escola dos alunos, não vão às reuniões, não se interessam, há um abismo cada vez maior entre Estado, escolas e pais”. 

Notícias relacionadas