Política

Guedes defende nova CPMF em evento com empresários

Ministro acredita que, se a alíquota do imposto for pequena, "não machuca"

[Guedes defende nova CPMF em evento com empresários]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Por Juliana Almirante no dia 21 de Agosto de 2019 ⋅ 14:00

A volta de um imposto sobre transações financeiras, no formato da antiga CPMF, foi defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, na noite de ontem (20), em São Paulo.

O tributo seria uma alternativa à cobrança sobre a folha de pagamento das empresas. Ele deu a declaração a uma plateia de empresários e executivos.

Guedes disse que prefere "abraçar um imposto horroroso" se conseguir desonerar as folhas de pagamento.

"É o [ponto] controverso [da reforma tributária]. Vamos deixar esse dilema. Querem 20% de encargos trabalhistas e 13 milhões de pessoas sem emprego? Deixa do jeito que está. Eu preferiria não ter de recorrer a isso, mas acho a oneração de folha de pagamento um crime contra brasileiros", disse o ministro.

Guedes acredita que, se a alíquota do imposto for pequena, "não machuca". "Quando o Fernando Henrique [Cardoso] lançou esse imposto, todo o mundo apoiou porque arrecada rápido", afirmou. 

"Hoje, um jovem vai chegar e ter o primeiro emprego, saindo da faculdade para trabalhar, 1000 de salário e custa 2000. Precisa reduzir os encargos trabalhistas. Entre um imposto horroroso e a opção pela desoneração da folha, prefiro abraçar o feioso", argumentou. 

Notícias relacionadas