Política

Otto Alencar relembra história política: "meu pai foi contra"

Senador relembrou a época de infância no interior do estado e contou como começou na política, durante entrevista à Rádio Metrópole

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Milene Rios no dia 08 de Junho de 2015 ⋅ 08:15

Durante entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta segunda-feira (08), o senador, ex-governador e também ex-vice governador da Bahia, Otto Alencar (PSD), contou um pouco sobre a infância no interior do estado e como começou na política. 

"Desde jovem [tinha boa relação com o público], criado no interior. Meu pai era fazendeiro, um pequeno fazendeiro. Todos os filhos de meu pai iam vender leite na rua, plantar mandioca. Às vezes eu vejo que trabalho infantil tem uma escola de vida. Eu me criei em ambiente de interior, passei três anos no Colégio 2 de Julho. Convivi com as pessoas do povo no Pelourinho, na Escola de Medicina, convivi com mestre Bimba (vai se ensinar capoeira nas escolas, um projeto meu que já foi aprovado). A relação com o povo sempre foi muito próxima”, lembou o senador.

Otto disse que a raíz familiar também foi um ponto preponderante para que entrasse no meio político, mas que no início não recebeu o apoio do pai. Minha família é de políticos, meu avô foi prefeito quatro vezes, tive tios prefeitos, primos, meu pai foi vereador, quando eu entrei na política meu pai foi contra”, disse otto.

Notícias relacionadas

[MPF reforça pedido de condenação de Lula e mais 12 réus]
Política

MPF reforça pedido de condenação de Lula e mais 12 réus

Por Matheus Simoni no dia 11 de Dezembro de 2018 ⋅ 10:26 em Política

O imóvel, que é atribuído ao petista, é alvo de uma denúncia do órgão, que afirma que as empreiteiras Odebrecht e OAS compraram e pagaram por melhorias no sítio

[Benito Gama é alvo da Polícia Federal ]
Política

Benito Gama é alvo da Polícia Federal 

Por Alexandre Galvão no dia 11 de Dezembro de 2018 ⋅ 06:52 em Política

Segundo a PF, o senador Aécio Neves comprou apoio político do Solidariedade, por R$ 15 milhões