Política

Veja como votaram deputados baianos em projeto que altera uso do Fundo Partidário

Com a aprovação, entre novos gastos permitidos estão serviços de consultoria contábil e advocatícia

[Veja como votaram deputados baianos em projeto que altera uso do Fundo Partidário]
Foto : Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Por Juliana Almirante no dia 19 de Setembro de 2019 ⋅ 08:24

A Câmara Federal aprovou ontem (19) projeto de lei que altera regras eleitorais e para partidos. Entre os itens da matéria que foram apreciados ontem pelo plenário, esteve um destaque proposto pelo partido Novo, para tentar impedir a alteração no uso de recursos do Fundo Partidário. (Consulte aqui o resultado das demais votações do projeto)

A maioria dos deputados, no entanto, decidiu rejeitar o destaque e manter no texto do projeto as novas situações de uso do fundo. Com a aprovação, os novos gastos permitidos serão: serviços de consultoria contábil e advocatícia; pagar juros, multas, débitos eleitorais e demais sanções relacionadas à legislação eleitoral ou partidária; compra ou locação de bens móveis e imóveis, construção de sedes, realização de reformas; e pagamento pelo impulsionamento de conteúdos na internet, incluída a priorização em resultados de sites de pesquisa.

Veja como votaram os baianos em relação ao destaque proposto pelo Novo:

Abílio Santana (PL) - Não
Adolfo Viana (PSDB) -  Não
Afonso Florence (PT) - Não
Alice Portugal  (PCdoB) -  Não
Bacelar (Podemos) - Sim
Cacá Leão (PP) - Não
Charles Fernandes (PSD)-- Não
Claudio Cajado (PP) - Não
Elmar Nascimento (DEM) - Não
Jorge Solla (PT) - Não
José Rocha (PL) -  Não
Joseildo Ramos (PT) -  Não
Lídice da Mata  (PSB) -  Não
Márcio Marinho  (PR) -  Não
Mário Negromonte Jr. (PP) - Não
Paulo Magalhães (PSD) -  Não
Professora Dayane Pimentel  (PSL) -  Sim
Tito (Avante)  - Sim
Valmir Assunção (PT) -   Não
Waldenor Pereira (PT) -  Não

Notícias relacionadas

[Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA]
Política

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA

Por Juliana Almirante no dia 23 de Outubro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

No entanto, o terceiro filho do presidente negou que a conquista da liderança do PSL na Câmara Federal tenha sido o fator determinante para a decisão