Política

Nilo admite que partido que ainda nem existe é "primeira opção" caso saia do PDT

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo, afirmou em entrevista ao A Tarde publicada nesta segunda-feira (8), que ir para o Partido Liberal (PL) – sigla em criação liderada pelo ministro das Cidades Gilberto Kassab – seria sua “primeira opção” caso saia do PDT.

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Juliana Almirante no dia 08 de Junho de 2015 ⋅ 14:51

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo, afirmou em entrevista ao A Tarde publicada nesta segunda-feira (8), que ir para o Partido Liberal (PL) – sigla em criação liderada pelo ministro das Cidades Gilberto Kassab – seria sua “primeira opção” caso saia do PDT.

“Todo político tem que ter um plano B, C e D. Eu quero ficar no PDT; vai depender da executiva nacional. Se, por algum motivo eles não reconhecerem minha força política, eu vou para outro partido. PL, PSD e PSB já me convidaram. A primeira opção seria o PL, por ser um partido novo, e a mudança de partido não teria dificuldade”, avaliou Nilo.

Ele diz ser amigo pessoal de Kassab e promete contribuir o quanto puder para o surgimento da nova sigla. “Quando o PSD foi criado, eu ajudei na criação, mesmo ficando no PDT. Se eu puder, ajudarei o PL a crescer, independentemente de ir para o partido ou não. Então, nesse negócio de assinatura, eu acho que muitos estão contribuindo, porque é mais importante um partido do nosso campo sendo criado”, afirmou.

Notícias relacionadas

[Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país ]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Em Salvador, Ciro condena 'extremismos' e prega união do país

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 23 de Setembro de 2018 ⋅ 10:00 em Política

Presidenciável ressaltou que, embora seja visto como um político de "esquerda", ele defende a união entre "o Brasil que produz com o Brasil que trabalha".

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari