Política

Prefeito de Irecê descarta crise e São João tem um mês de comemorações

O prefeito de irecê e ex-deputado estadual, Luizinho Sobral (PTN) foi entrevistado na Rádio Metrópole, na manhã destaterça-feira (09) e falou dos festejos juninos no município. O evento será o maior da Bahia com um mês de festa, com atrações peso da música nacional e também artistas locais da região. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Milene Rios e Juliana Almirante no dia 09 de Junho de 2015 ⋅ 08:10

O prefeito de irecê e ex-deputado estadual, Luizinho Sobral (PTN) foi entrevistado na Rádio Metrópole, na manhã destaterça-feira (09) e falou dos festejos juninos no município. O evento será o maior da Bahia com um mês de festa, com atrações peso da música nacional e também artistas locais da região.

"É um evento de 30 dias, começou no dia 1º. Iniciamos em bairros e, no dia 19, vamos fazer um evento de 24 horas de forró. “Teremos nome nacionais e locais, como Luan santana, Victor e Leo, Wesley Safadão, mas também damos oportunidade a mais de 50 artistas locais e oportunidade para pessoas que não podem assistir shows.", pontuou o prefeito. 

Apesar de muitos prefeitos alegarem o momento de crise para realizar festas, Luizinho Sobral destacou que ao contrário, o evento vai gerar renda para os empresários locais. "É uma festa cultural e econômica, aquece o comércio e os hotéis estão lotados. Aquece a cidade e é importante para nosso municipio", disse.

Sobre as finanças da cidade: “hoje nosso municipio é equilibrado, não foi facil, mas hoje é equilibrado. Esse evento é grande, mas planejamos. Desde meu primeiro dia de governo, planejamos os quatro anos. É preciso trabalhar muito ainda. Pagamos rigorosamente todo mês as vezes antecipado todos os funcionários", 

Comentarios

Notícias relacionadas

[Justiça determina bloqueio de bens de Lúcio Funaro]
Política

Justiça determina bloqueio de bens de Lúcio Funaro

Por Clara Rellstab no dia 18 de Julho de 2018 ⋅ 12:40 em Política

A decisão que determina o bloqueio dos bens vale para “ativos financeiros disponíveis em contas correntes, poupanças e outras aplicações financeiras”