Política

Mesmo com preços altos, Dilma pede que população não deixe de consumir

A presidenta Dilma Rousseff afirmou, na manhã dessa quinta-feira (11) que a inflação oficial, que chegou a 8,47%, preocupa o governo. Porém, segundo a petista, esse é um episódio “atípico” [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Roberto Stuckert Filho/Presidência da República

Por Bárbara Silveira no dia 11 de Junho de 2015 ⋅ 12:35

A presidenta Dilma Rousseff afirmou, na manhã dessa quinta-feira (11) que a inflação oficial, que chegou a 8,47%, preocupa o governo. Porém, segundo a petista, esse é um episódio “atípico” e a população não deve deixar de consumir por causa da alta dos preços.

“Não acho que a população tem que consumir menos, pelo contrário, a população deve continuar consumindo. A inflação deste ano é uma inflação atípica, ela é fruto de várias correções”, disse a presidenta, em entrevista em Bruxelas, antes de voltar ao Brasil após participar da 2º Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e da União Europeia (UE).

"[Os números] Preocupam bastante, porque a inflação é um objetivo que temos de derrubar e derrubar logo. O Brasil não pode conviver com uma taxa alta de inflação. Não pode e não vai”, acrescentou. Segundo Dilma, os preços foram influenciados pela seca nas regiões Nordeste e Sudeste e o ajuste cambial. “Esse ajuste cambial não fomos nós que provocamos, sofremos os efeitos dele”.

 

Comentarios

Notícias relacionadas

[Ex-ministro do Trabalho era 'fantoche' do PTB, diz PF ]
Política

Ex-ministro do Trabalho era 'fantoche' do PTB, diz PF 

Por Alexandre Galvão no dia 16 de Julho de 2018 ⋅ 14:00 em Política

O documento ainda aponta uma “efetiva participação” da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no núcleo político de uma organização criminosa

[Empreiteiras encolhem R$ 55 bilhões após Lava Jato]
Política

Empreiteiras encolhem R$ 55 bilhões após Lava Jato

Por Clara Rellstab no dia 16 de Julho de 2018 ⋅ 10:20 em Política

Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão, Mendes Júnior e Constran (da UTC) tiveram as receitas reduzidas a um quarto no período