Saúde

Dilma participa de mobilização nacional contra aedes no Rio de Janeiro

A presidente Dilma Rousseff (PT) visitou diversas casas, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, e orientou os moradores sobre como eliminar possíveis focos do mosquito Aedes aegypti. [Leia mais...]

[Dilma participa de mobilização nacional contra aedes no Rio de Janeiro]
Foto : Roberto Stuckert Filho/ Presidência da República

Por Matheus Morais no dia 13 de Fevereiro de 2016 ⋅ 14:15

A presidente Dilma Rousseff (PT) visitou diversas casas, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, e orientou os moradores sobre como eliminar possíveis focos do mosquito Aedes aegypti. O bairro é uma das regiões com maior índice de infestação do mosquito transmissor da dengue, vírus Zika e chikungunya.


A visita faz parte do Dia Nacional de Mobilização contra o Mosquito Aedes Aegypti, que acontece em todo país. Durante cerca de uma hora, Dilma Rousseff, o governador do estado, Luiz Fernando Pezão, e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, conversaram com moradores e distribuíram folhetos informativos e camisetas para as famílias do bairro.


Segundo a Agência Brasil, na cidade do Rio, cerca de 71 mil militares foram designados para ir às ruas, visitar residências e orientar e instruir os cariocas, no momento em que o aumento do número de casos de vírus Zika preocupa autoridades nacionais e internacionais.


As Forças Armadas garantiram que os militares envolvidos na mobilização de hoje atuarão sempre desarmados. As áreas onde há risco de contronto com traficantes serão vistoriadas por agentes de saúde. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde do Rio, o combate ao mosquito será uma prioridade em regiões com alta incidência de doenças transmitidas pelo Aedes, como nos municípios de Araruama, Rio das Ostras, Duque de Caxias e Belfort Roxo, na baixada fluminense.

Notícias relacionadas

[Estudo aponta que zika veio do Haiti]
Saúde

Estudo aponta que zika veio do Haiti

Por Clara Rellstab no dia 14 de Agosto de 2018 ⋅ 13:00 em Saúde

Militares brasileiros que participaram da missão de paz no país caribenho e imigrantes que vieram para o Brasil podem ter trazido o vírus