Saúde

Sesab rebate relatório da CGU: 'interpretaram equivocadamente'

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) contestou neste sábado (29) um relatório apresentado pela Controladoria Geral da União (CGU), que declara que o órgão repassou apenas 7,37% dos recursos aplicados pelo Ministério da Saúde para ações diretas de combate ao Aedes aegypti, vetor dos vírus da zika, dengue e chikugunya.

[Imagem not found]
Foto : Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Por Laura Lorenzo no dia 29 de Outubro de 2016 ⋅ 08:51

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) contestou neste sábado (29) um relatório apresentado pela Controladoria Geral da União (CGU), que declara que o órgão repassou apenas 7,37% dos recursos aplicados pelo Ministério da Saúde para ações diretas de combate ao Aedes aegypti, vetor dos vírus da zika, dengue e chikugunya.

“Muito pelo contrário. Investimos em vigilância mais de 100% dos recursos recebidos da união. Colocamos recursos próprios do Estado em incentivos para combate”, ressaltou a Secretaria, que afirma ainda que os auditores da CGU analisaram “equivocadamente, no país todo, a aplicação dos recursos do bloco da vigilância, como se todo ele fosse apenas para dengue”. “Na verdade, os R$ 30 milhões de recursos federais são para tudo: Aids, tuberculose, sífilis, hanseníase, gripe, leishmaniose, etc”, argumentou a Sesab.

 “A Bahia, além de gastar todo o recurso federal, ainda aportou mais de R$ 5 milhões do próprio bolso diretamente em dengue, zika e chikugunya”, acrescentou o órgão, ressaltando ainda que o primeiro teste de zika do país foi desenvolvido pela Sesab com recursos próprios. [Leia mais...]

Notícias relacionadas