Saúde

Fiocruz descobre que pernilongo pode transmitir Zika vírus

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou nesta quarta-feira (9), resultados de uma análise, em que foi descoberto que o mosquito do gênero Culex, mais conhecido como pernilongo, pode transmitir o zika vírus. O estudo foi publicado na revista Emerging microbes & infections, do grupo Nature. [Leia mais...]

[Fiocruz descobre que pernilongo pode transmitir Zika vírus]
Foto : Agência Brasil

Por Paloma Morais no dia 09 de Agosto de 2017 ⋅ 15:30

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou nesta quarta-feira (9), resultados de uma análise, em que foi descoberto que o mosquito do gênero Culex, mais conhecido como pernilongo, pode transmitir o zika vírus. O estudo foi publicado na revista Emerging microbes & infections, do grupo Nature. 

Para a análise, cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Pernambuco, coletaram mosquitos Culex, que já estavam infectados, e sequenciou o genoma do vírus Zika no organismo deles. Com o sequenciamento, foi constatado que o vírus consegue se replicar dentro do mosquito e alcançar a glândula salivar do inseto, o que indicaria, de acordo com a instituição, que o pernilongo pode transmitir o vírus Zika.

De acordo com comunicado da Fiocruz, agora será analisado “o conjunto de suas características fisiológicas e comportamentais, no ambiente natural, para entender o papel e a importância dessa espécie na transmissão do vírus Zika”.

O genoma do zika já havia sido sequenciado em 2016 pelo Departamento de Virologia e Terapia Experimental da Fiocruz Pernambuco, porém, foi usada uma amostra humana. Dessa vez, pela primeira vez no mundo, o mapeamento é realizado a partir do mosquito.Também foi fotografado pela primeira vez por meio de microscopia eletrônica, a formação de partículas virais do Zika na glândula do inseto.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Governo vai combater fake news sobre vacinas]
Saúde

Governo vai combater fake news sobre vacinas

Por Clara Rellstab no dia 17 de Julho de 2018 ⋅ 11:00 em Saúde

Uma das ações definidas pelo Planalto é procurar Google e Facebook para parcerias na identificação da origem dos boatos e possíveis ações de comunicação