Saúde

Ainda em fase de estudos, vacina contra zika vírus pode prevenir transmissão na gravidez

O Instituto Evandro Chagas (IEC) apresentou nesta sexta-feira (22), resultado positivo de testes realizados com a vacina contra o zika vírus, confeccionada pelo instituto, em camundongos e macacos. [Leia mais...]

[Ainda em fase de estudos, vacina contra zika vírus pode prevenir transmissão na gravidez]
Foto : Agência Brasil

Por Paloma Morais no dia 22 de Setembro de 2017 ⋅ 15:35

O Instituto Evandro Chagas (IEC) apresentou nesta sexta-feira (22), resultado positivo de testes realizados com a vacina contra o zika vírus, confeccionada pelo instituto, em camundongos e macacos. De acordo com os dados, a aplicação de apenas uma dose da vacina preveniu a transmissão da doença nos animais e também o contágio de filhotes durante a gestação. O estudo foi publicado nesta quinta pela revista Nature Communications.

“É um dos mais avançados estudos para a oferta de uma futura vacina contra a doença para proteger mulheres e crianças da microcefalia e outras alterações neurológicas causadas pelo vírus”, informou o Ministério da Saúde.

Os testes foram feitos simultaneamente no Instituto Nacional de Saúde (NIH), Universidade do Texas e Universidade Washington, dos Estados Unidos, que são parceiros da pesquisa. Com o resultado, o objetivo de impedir que o vírus zika cause microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central pode estar perto de encontrar uma solução. No entanto, o ministério adverte que ainda não é possível afirmar que isso também se aplique aos seres humanos. Os testes em humanos devem ser realizados, a partir de 2019, na Fiocruz/Biomanginhos, no Rio de Janeiro.

O Ministério da Saúde afirmou ainda que vai autorizar a liberação de R$ 7 milhões até 2021 para o desenvolvimento e produção da vacina.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Governo vai combater fake news sobre vacinas]
Saúde

Governo vai combater fake news sobre vacinas

Por Clara Rellstab no dia 17 de Julho de 2018 ⋅ 11:00 em Saúde

Uma das ações definidas pelo Planalto é procurar Google e Facebook para parcerias na identificação da origem dos boatos e possíveis ações de comunicação