Saúde

Consultoria prevê que segurode saúde terá maior alta em quatro anos

Uma projeção daconsultoria TCP Latam, divulgada pela coluna Mercado Aberto, do jornal Folha de S. Paulo, mostra que os planos de saúde devem terminar o ano com meio milhão de vidas a mais em carteira. [Leia mais...]

[Consultoria prevê que segurode saúde terá maior alta em quatro anos ]
Foto : Agência Brasil

Por Matheus Morais no dia 05 de Janeiro de 2018 ⋅ 12:04

Uma projeção da consultoria TCP Latam, divulgada pela coluna Mercado Aberto, do jornal Folha de S. Paulo, mostra que os planos de saúde devem terminar o ano com meio milhão de vidas a mais em carteira.

Trata-se de um aumento de 1% em relação ao número atual de atendidos. De acordo com o diretor da consultoria, Ricardo Jacomassi, o desempenho vai depender do emprego formal, principal impulsionador do mercado. "A correlação dessas variáveis é forte, mas tende a se enfraquecer", ressaltou.

Outra novidade é que os contratantes passarão a negociar a oferta de plano a cada contrato de trabalho, e não como um benefício a todos. O regime intermitente fará com que o seguro seja mais incomum, afirmou Jacomassi à publicação. Em nota, a Fenasaúde afirmou que o impacto, seja qual for, não virá no curto prazo.

"Já se percebe a oferta de planos segmentados, como só para internação", disse o professor da Escola Nacional de Seguros Charles Lopes. "O produto completo é caro. Muitas empresas criam alternativas com atendimento mais restrito", completou.

Outra novidade é um tempo mínimo de emprego, geralmente um ano, antes que o trabalhador passe a ter seguro, segundo Irlau Machado Filho, presidente da NotreDame Intermédica. A empresa atende a 3,5 milhões de pessoas, na soma de planos médicos e odontológicos, e a meta é crescer 15%. "Se o desemprego permanecer em torno de 12% será um alívio. Nós já crescemos dentro do nosso nicho nos últimos anos", ressaltou.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Governo vai combater fake news sobre vacinas]
Saúde

Governo vai combater fake news sobre vacinas

Por Clara Rellstab no dia 17 de Julho de 2018 ⋅ 11:00 em Saúde

Uma das ações definidas pelo Planalto é procurar Google e Facebook para parcerias na identificação da origem dos boatos e possíveis ações de comunicação