Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Bahia

Governador que implantou Ford na Bahia, César Borges diz que saída da montadora foi precipitada

'Foi uma bomba que caiu no meu colo, da Bahia e do Brasil', disse ex-governador baiano

[Governador que implantou Ford na Bahia, César Borges diz que saída da montadora foi precipitada]
Foto : Metropress

Por Matheus Simoni no dia 12 de Janeiro de 2021 ⋅ 09:49


O ex-governador, ex-ministro e ex-deputado estadual pela Bahia César Borges comentou o fechamento após 20 anos da fábrica da Ford no estado, localizada em Camaçari. A decisão acompanha a iniciativa da montadora de deixar as operações no país e foi anunciada ontem (11). Em entrevista a Mário Kertész durante o Jornal da Bahia no Ar da Rádio Metrópole de hoje (12), César Borges demonstrou surpresa com o anúncio.

"Lamentavelmente, a década passada foi, economicamente, um desastre para o país. Ele não cresceu por vários motivos, fiscais, logísticos. Isso fez com que a Ford viesse enfrentando dificuldades. Eu acompanho esse processo porque sou procurado por eles. Tive encontros em Brasília com ministros quando era senador e quando estava no Banco do Brasil. Conversei na época com o governador Jaques Wagner em minha época. As coisas foram no sentido de dar condições para a Ford permanecer. Para mim, foi uma surpresa total e completa. Foi uma bomba que caiu no meu colo, da Bahia e do Brasil. Eu lamento muito. Ontem, dia 11 de janeiro, é um dia triste para a Bahia. Vamos ter que repensar um pouco, ou muito, o desenvolvimento industrial do estado", comentou o ex-governador. 

César Borges ainda falou que a iniciativa foi precipitada e que não há um consenso sobre os rumos do país na economia nos próximos anos. "Sempre andar para trás é muito ruim. A mim me deixa morfinado, triste e preocupado. O fechamento da Ford é uma decisão estratégica da empresa. Ela se precipitou. Eles dizem que procuraram muito o governo federal, mas é um governo que fala muito em liberalismo econômico. Liberalismo significa deixar o empresário. Se ele não se aguentar das pernas, ele quebra. O que houve é que se havia dificuldades para investir, por exemplo, em modernização da própria fábrica, caminhando para baixa emissão de poluentes e setor de motores elétricos, a Ford precisaria investir muito", comentou. 

"Há uma diversidade que não tinha há 20 anos atrás. A Ford, que era para ter 12% do marketshare de mercado de automóveis do Brasil, hoje está em torno de 7%. Era a quarta montadora e hoje está em quinto ou sexto lugar. Essas dificuldades precisariam ser vistas para quem trata da política industrial, seja na área federal ou estadual", acrescentou. 

Notícias relacionadas