Terça-feira, 28 de setembro de 2021

Bahia

Fernando Barros lembra repercussão do anúncio que trouxe a Ford para a Bahia

Publicitário falou sobre como o então senador Antônio Carlos Magalhães reagiu ao saber da publicidade

Fernando Barros lembra repercussão do anúncio que trouxe a Ford para a Bahia

Foto: Metropress

Por: Matheus Simoni no dia 14 de janeiro de 2021 às 09:38

O publicitário Fernando Barros, presidente da Propeg e amigo pessoal do ex-governador e ex-senador Antônio Carlos Magalhães, falou sobre os bastidores que envolveram a aprovação de uma campanha publicitária que chamava a Ford para a Bahia. A peça foi um dos primeiros episódios de uma história que culminou com a vinda da montadora americana para Camaçari, há mais de 20 anos. Em conversa com Mário Kertész na manhã de hoje (14), durante o Jornal da Bahia no Ar da Rádio Metrópole, ele falou de como a ideia foi recebida pelo então governador César Borges, em reunião com a presença de Fernando Vita, ex-secretário.

"César tomou um susto. Passou uns minutos perplexo e, com aquela voz dele, de locutor, disse: 'Barrinhos e Vita, vocês só querem me f*der, né?'", brincou. "É uma coisa boa. Não vai acontecer nada, nem Ford e nem ninguém vem para cá. Mas a percepção para a Bahia vai ser formidável e maravilhosa", respondeu Barros.

Após a reunião no Palácio de Ondina, o publicitário afirma que manteve a ideia de publicar o anúncio. "Ao fim, eu disse: Eu assumo o anúncio. Deixe a gente publicar e, se der qualquer problema mais grave, você diz que não autorizou aquilo, que eu fiz por conta própria porque achei muito bom e que ele iria aprovar depois. César não é disso, ele sempre foi um cliente muito leal. Aí pronto, publica-se o anúncio", declarou Barros.

Fernando Barros também citou como o anúncio foi recebido pelo senador Antônio Carlos Magalhães, que não gostou da repercussão inicial. "Tive que ir para Brasília e, no dia seguinte, fui almoçar na casa do então presidente do Congresso, que era quem? Ele, ACM. Quando eu cheguei lá, ele estava com uma cara e eu pensei 'o que eu fiz?'. Ele nem me cumprimentou, deu boa tarde ou nada. Ele só disse: 'O pior é que ficam pensando que essas sacanagens, que vocês não têm o que fazer, fui eu que mandei. Eu estou recebendo telefonemas do Rio Grande do Sul, aquele governador do bigode grande me enchendo o saco, dizendo que foi feito um anúncio provocante e desmoralizando o estado deles. O que eu tenho a ver com isso, com essas maluquices de vocês e de seu César Borges?'", relembra o publicitário. 

Na avaliação do ex-marqueteiro, a vinda da Ford, no geral, foi positiva e serviu para quebrar parte do preconceito que o restante do país tinha da Bahia e do Nordeste. "Que dia que teríamos condições de ter uma fábrica automotiva aqui? E aí se deu empréstimo subsidiado pelo BNDES e tudo o que a Ford pedia a gente dava. O presidente da Ford, que era Ivan, disse: 'Faça, que a gente assina'. E assinaram. Aí tinha uma briga pelo caminho porque o velho estava estressado com Fernando Henrique, que não queria 'dar esse mole' para a Bahia", afirmou.

Fernando Barros lembra repercussão do anúncio que trouxe a Ford para a Bahia - Metro 1