Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Bahia

Entidades do comércio e indústria baiana pedem medidas emergenciais 'para salvar empresas'

Ofícios foram enviados ao governador Rui Costa e ao prefeito Bruno Reis com posição contrária ao ‘lockdown’

[Entidades do comércio e indústria baiana pedem medidas emergenciais 'para salvar empresas']
Foto : Jefferson Peixoto / Secom

Por Gabriel Amorim no dia 12 de Março de 2021 ⋅ 21:30

 

Entidades do comércio e indústria baiana enviaram ofícios foram enviados ao governador Rui Costa (PT) e ao prefeito Bruno Reis (DEM) pedindo por medidas emergenciais para ‘salvar empresas’. Os documentos enviados aos gestores têm a assinatura de entidades como Fecomércio, FCDL Bahia, CDL Salvador, e FIEB. No pedido, as entidades solicitam, entre outras medidas, isenções e parcelamento de impostos.

“As entidades manifestam que são contrárias ao lockdown do comércio e defendem o início do plano de retomada das atividades econômicas, de forma responsável, seguindo os protocolos. Os reflexos da crise já refletem na cadeia produtiva da indústria, uma vez que o comércio não absorve mais, da mesma forma, a produção industrial”, diz nota assinada pelas entidades e divulgada para imprensa.

Ao todo, 16 pleitos compõem o documento elaborado pelo comércio e indústria da Bahia, que justificam a necessidade das medidas para que ‘as empresas baianas possam sobreviver e manter empregos’. 

Ainda segundo a nota divulgada pelas entidades, seu posicionamento é favorável a uma reabertura escalonada das atividades. “Para o retorno imediato das atividades em Salvador, as instituições apoiam a criação de um escalonamento para o funcionamento das empresas, dividido por atividades (comércio de rua, shopping centers e centros comerciais), com diferenciação para cada área geográfica, contribuindo para minorar as aglomerações nos serviços de transporte público”, finaliza a nota.

Notícias relacionadas