Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Bahia

Bombeiros tentam apagar incêndio em reserva indígena de Arraial D'Ajuda; fogo começou no dia 4

Cerca de 450 famílias indígenas da etnia Pataxó vivem no local

[Bombeiros tentam apagar incêndio em reserva indígena de Arraial D'Ajuda; fogo começou no dia 4]
Foto : ACS/CBMBA

Por Geovana Oliveira no dia 14 de Março de 2021 ⋅ 12:30

Os bombeiros continuam tentando apagar o incêndio que atinge a Reserva Indígena de Aldeia Velha, em Arraial D'Ajuda, no extremo-sul da Bahia. Neste sábado (13), 30 bombeiros militares dos 4º, 5º, 6º e 18º GBM's atuaram no combate. O local é de difícil acesso e por não permitir a entrada de veículos, as equipes estão se deslocando para o combate a pé por dentro da mata, equipados com mochilas costais e abafadores, onde realizam a extinção foco a foco. 

A reserva indígena de Aldeia Velha abrange uma área de 2.010 hectares, sendo que 80% são de Mata Atlântica e uma faixa de manguezal. Cerca de 450 famílias indígenas da etnia Pataxó vivem no local, mas chamas não chegaram ainda em áreas de convivência. Na última atualização da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), mais de 200 hectares já haviam sido atingidos desde o dia 4 deste mês.  

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, os bombeiros também estão realizando a extração de água do solo com baldes. Desde quarta-feira (10), a equipe conta com apoio de arenovaes — o helicóptero do Graer e o avião modelo air tractor — que ajudam a diminuir a propagação das chamas, além de mitigar possíveis focos.

Também estão sendo empregadas sete viaturas, sendo cinco pick-up, uma Auto Bomba Tanque Florestal (ABTF), uma Unidade de Resgate (UR). Além dos bombeiros, também estão atuando outros órgãos como Sema, Ibama, PrevFogo, ICMBio, prepostos da Prefeitura de Porto Seguro, que vem fornecendo recursos logísticos, a Funai e alguns moradores locais

Notícias relacionadas