Sábado, 13 de agosto de 2022

Bahia

MP envia recurso contra decisão que revogou prisão de PMs acusados por tortura em Itapebi

Os PMs são acusados de torturar um homem até a morte, dentro de um bar na região central de Itapebi

MP envia recurso contra decisão que revogou prisão de PMs acusados por tortura em Itapebi

Foto: Reprodução Itapebi Acontece

Por: Metro1 no dia 05 de agosto de 2022 às 11:13

O Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) interpôs, na última segunda-feira (1), um recurso contra a decisão que revogou a prisão de dois policiais militares acusados de cometer crime de tortura seguida de morte contra Epaminondas Batista Mota, na cidade de Itapebi, no sul da Bahia.

Segundo o comunicado do MP-BA, a decisão, proferida pelo desembargador do Tribunal de Justiça da Bahia Jefferson Alves de Assis, foi monocrática. No recurso, o órgão solicita que o plenário reforme a decisão e restabeleça a prisão preventiva dos réus. 

O crime ocorreu no dia 16 de janeiro deste ano e a denúncia também foi oferecida pelo MP, por meio da Promotoria de Justiça e do Grupo de Atuação Especial Operacional de Segurança Pública. 

Conforme a denúncia do MP, os PMs causaram intenso sofrimento físico e mental contra Epaminondas Mota, com o objetivo de obter a confissão de que ele havia furtado um aparelho celular. Os atos de tortura praticados pelos dois policiais causaram a morte dele.

Consta ainda que a vítima se encontrava no ‘Bar do Zai’, situado na Travessa Belmonte, na região central de Itapebi, quando os denunciados chegaram e fecharam a porta do estabelecimento. Em seguida, teriam perguntado para a vítima a respeito de um aparelho de telefone celular que ela havia supostamente furtado. O ofendido teria respondido que não havia furtado o celular e então os denunciados teriam o agredido fisicamente, sem que este esboçasse qualquer reação, até a morte.

Na decisão liminar que acolheu pedido de habeas corpus impetrado pela defesa, o desembargador entendeu que medidas cautelares diversas da prisão preventiva são suficientes para assegurar a ordem pública. O entendimento é diferente do juiz Paulo Roberto de Oliveira,  da 1ª Vara de Auditoria Militar  de Salvador, que recebeu a denúncia do MP e decretou em março último a prisão preventiva dos PMs, considerando a gravidade e periculosidade da conduta criminosa e a necessidade de resguardar a ordem pública. Dois pedidos de revogação da prisão, formulado pela defesa, foram indeferidos pelo juiz em março, seguindo entendimento do MP.  
 

MP envia recurso contra decisão que revogou prisão de PMs acusados por tortura em Itapebi - Metro 1