Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Domingo, 21 de abril de 2024

Home

/

Notícias

/

Bahia

/

Sesab confirma mais quatro mortes por dengue no estado; vacinas estão sendo redistribuídas

Bahia

Sesab confirma mais quatro mortes por dengue no estado; vacinas estão sendo redistribuídas

Vitória da Conquista, Jacaraci e Piripá são os municípios com maior número de óbitos pela doença

Sesab confirma mais quatro mortes por dengue no estado; vacinas estão sendo redistribuídas

Foto: Divulgação/Sesab

Por: Metro1 no dia 02 de abril de 2024 às 13:12

O número de mortes por dengue no estado sobe para 27 após confirmação de mais quatro casos pela Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab). Os registros foram nos municípios de Vitória da Conquista (7), Jacaraci (4), Piripá (3), Feira de Santana (2), Juazeiro (2), Santo Antônio de Jesus (2), Barra do Choça (1), Caetité (1), Campo Formoso (1), Carinhanha (1), Ibiassucê (1), Irecê (1) e Santo Estevão (1). Além destas, outros dois óbitos foram registrados em Guanambi, mas ainda não há confirmação do órgão de saúde.

Até o último dia 30 de março, a Bahia notificou 95.890 casos prováveis da doença, representando 678,1 de casos/100.000 habitantes. Em comparação ao mesmo período em 2023, o estado teve um aumento de 536,6% na incidência dos casos. No total, 275 municípios da Bahia estão em estado de epidemia de dengue, 56 estão em risco e 16 em alerta.

Vacinação

Nesta terça-feira (2), cerca de 15 mil doses de vacina contra a dengue que estão sendo redistribuídas começaram a chegar aos municípios, sendo transportadas com o apoio do Grupamento Aéreo da Polícia Militar e da Casa Militar.

O critério definido pelo Ministério da Saúde, considerou as cidades com maior número de casos prováveis absolutos notificados este ano. “Estamos trabalhando de modo que as vacinas cheguem o mais rápido possível aos municípios. O lote destes imunizantes tem validade até o dia 30 de abril. Não queremos que nenhuma vacina seja perdida”, afirma a secretária da Saúde do Estado, Roberta Santana.

A líder da pasta reitera a importância dos pais e responsáveis levarem as crianças e adolescentes aos postos de vacinação. “O púbico continua sendo o de 10 a 14 anos, faixa etária que mais apresentou hospitalização pela doença de acordo com estudos”, completa.