Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Domingo, 26 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Bahia

/

Com baixa cobertura, Secretaria da Saúde propõe estratégias para ampliação da vacinação contra influenza

Bahia

Com baixa cobertura, Secretaria da Saúde propõe estratégias para ampliação da vacinação contra influenza

Apenas 735.032 doses foram aplicadas, o que representa 15,57% do público-alvo

Com baixa cobertura, Secretaria da Saúde propõe estratégias para ampliação da vacinação contra influenza

Foto: Divulgação/Sesab

Por: Metro1 no dia 24 de abril de 2024 às 17:39

Com a baixa cobertura de vacinação contra a influenza na Bahia, a secretaria da Saúde do Estado, tem feito um chamado aos secretários municipais de saúde para desenvolverem estratégias de ampliação da imunização. 
Até o momento, apenas 735.032 doses foram aplicadas, o que representa 15,57% do público-alvo, formado por 5.929.764 pessoas. 

Para reverter esse cenário, a Secretária da Saúde do Estado, Roberta Santana, está propondo aos municípios“estratégias como a extensão do horário de funcionamento dos postos de saúde, inclusive aos finais de semana, a implementação de pontos de vacinação em formato drive-thru e campanhas de conscientização são fundamentais para alcançar uma maior adesão”, destaca.

A campanha nacional de vacinação contra a influenza, normalmente é realizada entre os meses de abril e maio. Neste ano teve início no dia 25 de março, em razão do aumento da circulação de vírus respiratórios no país.
No ano de 2024, até o dia 20 de abril, na Bahia, foram notificados 506 casos de influenza com registro de 37 óbitos. Comparando-se com o mesmo período de 2023, quando foram registrados 222 casos, observou-se um aumento de 127,9%.

Segundo definição do Ministério da Saúde, o público-alvo é formado pelos seguintes grupos:

  •  crianças de 6 meses a menores de 6 anos (5 anos, 11 meses e 29 dias);
  • trabalhadores da Saúde;
  • gestantes; puérperas;
  • professores do ensino básico e superior;
  • povos indígenas;
  • idosos com 60 anos ou mais de idade;
  • pessoas em situação de rua; profissionais das Forças de Segurança e Salvamento;
  • profissionais das Forças Armadas;
  • pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independentemente da idade;
  • pessoas com deficiência permanente;
  • caminhoneiros;
  • trabalhadores de transporte coletivo rodoviário para passageiros urbanos e de longo curso;
  • trabalhadores portuários;
  • população privada de liberdade e funcionários do sistema de privação de liberdade, além de adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas.