Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 12 de julho de 2024

Home

/

Notícias

/

Bahia

/

MP denuncia 4 pessoas por crimes contra idosos e pessoas com deficiência em centro de recuperação em Feira de Santana

Bahia

MP denuncia 4 pessoas por crimes contra idosos e pessoas com deficiência em centro de recuperação em Feira de Santana

Os suspeitos  também foram denunciados pelos crimes de maus-tratos e redução à condição análoga à de escravidão

MP denuncia 4 pessoas por crimes contra idosos e pessoas com deficiência em centro de recuperação em Feira de Santana

Foto: Divulgação

Por: Metro1 no dia 19 de junho de 2024 às 12:42

Atualizado: no dia 19 de junho de 2024 às 12:42

O Ministério Público da Bahia denunciou na terça-feira (18) quatro pessoas investigadas pelos crimes de extorsão, associação criminosa, tortura, sequestro e cárcere privado de idosos e pessoas com deficiência no Centro de Recuperação Projeto de Instituição Evangelizar (Centro de Recuperação IDE), em Feira de Santana.

Os suspeitos também foram denunciados pelos crimes de maus-tratos e redução à condição análoga à de escravidão. Segundo a denúncia, os acusados responsáveis pelo centro, João Tavares da Silva e seu filho, Phillipe Brito da Silva, constrangeram duas vítimas com graves ameaças para que contraíssem empréstimos e sacassem benefícios previdenciários para eles. 

No dia 29 de maio, João, e seus filhos Phillipe e Thiago Brito da Silva, utilizaram violência contra um interno como forma de castigo pessoal, causando lesões corporais graves. Devido à violência, a vítima foi levada ao Hospital Geral Clériston Andrade, onde está internada na Unidade de Cuidados Intensivos. A secretária do local, que é nora de João, e os outros foram presos em flagrante.

Os suspeitos foram presos em flagrante, no dia 4 deste mês durante uma operação conjunta realizada pelo MP, com apoio das polícias Civil e Militar. O local era clandestino e funcionava sem alvará sanitário. A ação cumpriu uma decisão Judicial que atendeu pedido do MP para interditar o local. A decisão judicial determinou o fechamento da instituição, após o encaminhamento dos pacientes para suas famílias ou para outros centros que atendam as suas necessidades.