Bahia

Sete universidades públicas permanecem em greve na Bahia

A educação do ensino superior na rede pública na Bahia segue em greve desde maio. Das nove instituições, sete estão paralisadas, entre estaduais e federais. O movimento grevista começou com as instituições estaduais em 13 de maio, já as federais no final de maio. Das únicas federais que não aderiram ao movimento, a do Vale do São Francisco (Univasf) está com indicativo de greve para 23 de julho e a do Sul da Bahia (UFSB), que começou as atividades acadêmicas em 2014, não se posicionou. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Arquivo Metropress

Por Bárbara Gomes no dia 09 de Julho de 2015 ⋅ 18:32

A educação do ensino superior na rede pública da Bahia segue em greve desde maio. Das nove instituições, sete estão paralisadas, entre estaduais e federais. O movimento grevista começou com as instituições estaduais em 13 de maio, já as federais no final de maio. Das únicas federais que não aderiram ao movimento: a do Vale do São Francisco (Univasf) está com indicativo de greve para 23 de julho e a do Sul da Bahia (UFSB) -- que começou as atividades acadêmicas em 2014 -- não se posicionou sobre o assunto.

Os docentes estaduais reivindicam que 7% da receita líquida do estado, sem imposto, sejam destinados para as universidades. Além da garantia de direitos trabalhistas e a ampliação do quadro de professores. Com a greve, mais de 60 mil estudantes estão sem aulas e 5,5 mil professores parados, informou o diretor da Associação dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia (Aduneb), Milton Pinheiro.

 

Notícias relacionadas