Bahia

Falta de verba vai desativar comarcas do Tribunal de Justiça no interior

A crise financeira enfrentada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) vai causar o fechamento de algumas comarcas do Tribunal no interior do estado. Presidente da Associação dos Magistrados da Bahia (AMAB), Freddy Pita Lima explicou em entrevista a José Eduardo, na Rádio Metrópole, como se dará o processo. [Leia mais...]

[Falta de verba vai desativar comarcas do Tribunal de Justiça no interior]
Foto : Reprodução/Secom

Por Bárbara Silveira e Matheus Morais no dia 10 de Abril de 2017 ⋅ 09:19

A crise financeira enfrentada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) vai causar o fechamento de algumas comarcas do Tribunal no interior do estado.

Presidente da Associação dos Magistrados da Bahia (AMAB), Freddy Pita Lima explicou em entrevista a José Eduardo, na Rádio Metrópole, como se dará o processo. “Na verdade, o TJ-BB tenta distribuir recursos da melhor forma e a presidente do TJ escolhe as comarcas que precisam mais. Desativar uma comarca não é extinguir, ela fica desativada e chegando orçamento, ela pode ser ativada. A desativação de algumas comarcas pequenas será na região de Irecê. As comarcas pequenas estão sem juízes, que só vão uma vez por semana. Os processos dessas comarcas pequenas vão para Irecê”, explicou.

Ainda segundo o presidente, o problema das comarcas são um problema de gestão. “Hoje são aproximadamente 130 comarcas sem juízes e comarcas com demandas anuais muito pequenas, e na verdade, em termos de gestão, não há porque existir essas comarcas. Eu não posso negar que uma comarca que tem magistrado é mais pacificada. Na verdade, infelizmente, algumas comarcas pequenas a estrutura é ruim devido a falta de recursos. Os magistrados no interior do estado não têm segurança, nem para os funcionários que trabalham no fórum.

Notícias relacionadas

[Embasa nega favorecimento de empresas em contratos ]
Bahia

Embasa nega favorecimento de empresas em contratos 

Por Metro1 no dia 18 de Outubro de 2019 ⋅ 07:58 em Bahia

“As dispensas de licitações são previstas legalmente para garantir a continuidade da prestação de serviços essenciais para população", diz a empresa