Bahia

Após 14 dias, estudantes desocupam a Câmara de Vereadores de Camaçari

Os estudantes que ocupavam a Câmara Municipal de Camaçari há 14 dias deixaram o local nesta quinta-feira (4). A ocupação era um protesto contra o aumento do valor na tarifa dos ônibus, de R$ 2,30 para R$ 2,60 e R$2,90, a depender da área de circulação. [Leia mais...]

[Após 14 dias, estudantes desocupam a Câmara de Vereadores de Camaçari]
Foto : Ascom/Câmara de Vereadores

Por Laura Lorenzo no dia 04 de Maio de 2017 ⋅ 16:25

Os estudantes que ocupavam a Câmara Municipal de Camaçari há 14 dias deixaram o local nesta quinta-feira (4). A ocupação era um protesto contra o aumento do valor na tarifa dos ônibus, de R$ 2,30 para R$ 2,60 e de R$ 2,60 para R$2,90, a depender da área de circulação. A reivindicação do grupo não foi atendida e os valores começaram a valer no dia 10 de abril.

A assessoria de imprensa da Câmara, informou que o movimento contou com estudantes das redes municipal e estadual, além de universitários do município. Os manifestantes deixaram o local após uma ordem da Justiça. Nesta quinta, após uma reunião entre uma comissão de estudantes, representantes do Juizado de Menores, dois oficiais de justiça e a Comissão Jurídica da Câmara, o grupo decidiu deixar a Câmara.

A presença dos estudantes na Câmara durante os 14 dias não interrompeu o expediente dos funcionários da casa, mas limitou o atendimento ao público e resultou no adiamento, por três vezes, da 10ª Sessão Ordinária. Houve ainda o adiamento da Sessão Especial em Homenagem ao Dia do Trabalhador, que ocorreria na última quarta (3), para o dia 31 de maio.

A prefeitura alega que as tarifas de transportes urbanos estavam com valores defasados, porque não sofriam aumento desde julho de 2015.

Notícias relacionadas

[Embasa nega favorecimento de empresas em contratos ]
Bahia

Embasa nega favorecimento de empresas em contratos 

Por Metro1 no dia 18 de Outubro de 2019 ⋅ 07:58 em Bahia

“As dispensas de licitações são previstas legalmente para garantir a continuidade da prestação de serviços essenciais para população", diz a empresa