Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Bahia

Três meses após acidente, Sinart ainda cobra pedágio de ponte que desabou

Após três meses do acidente que lançou ao mar cerca de 70 pessoas, o píer de desembarque do Terminal Marítimo de Madre de Deus ainda não foi concertado. Mesmo assim, a Sinart, Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico, continua cobrando R$ 0,90 de pedágio. [Leia mais...]

[Três meses após acidente, Sinart ainda cobra pedágio de ponte que desabou]
Foto : Leitor Metro1

Por Tayane Rodrigues no dia 19 de Abril de 2018 ⋅ 18:00

Após três meses do acidente que lançou ao mar cerca de 70 pessoas, o píer do Terminal Marítimo de Madre de Deus, na Região Metropolitana de Salvador, ainda não foi consertado. Mesmo assim, a Sinart, Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico, ainda cobra R$ 0,90 de pedágio no trecho.

Desde o ocorrido, o embarque e o desembarque são feitos através de um único flutuante. Segundo barqueiros que transportam pessoas entre o continente e as ilhas de Maria Guarda, Bom Jesus dos Passos e Paramana, o atracadouro não vai aguentar por muito tempo o fluxo intenso.

O terminal foi construído pela prefeitura de Madre de Deus, que deu concessão para a Sinart explorar e dar manutenção. Mesmo que atenda a moradores de municípios diferentes (Madre de Deus e Salvador), o transporte e o terminal não são regularizados pela Agerba. A agência estadual, por sua vez,  garante que a responsabilidade pela regularização e fiscalização é da Capitania dos Portos.

Notícias relacionadas