Bahia

Após ataques racistas, jornalista Rita Batista aciona Justiça

Pelas redes sociais, a comunicadora divulgou comentários preconceituosos e com ameaças

[Após ataques racistas, jornalista Rita Batista aciona Justiça]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Matheus Simoni no dia 30 de Outubro de 2018 ⋅ 12:00

A jornalista Rita Batista anunciou que vai levar à Justiça os ataques racistas que vem sofrendo desde que apresentou do programa eleitoral do PT no segundo turno das eleições. Pelas redes sociais, a comunicadora divulgou comentários preconceituosos e com ameaças.

Ex-apresentadora da Rádio Metrópole, Rita afirmou que vai levar o caso a autoridades. "O dossiê está pronto e as autoridades à postos. Engana-se muito quem acha que a internet é uma 'terra sem lei'. Discordar, debater, ter opinião contrária é da democracia, ofender, destratar, depreciar é para mim, falta de argumento e para a lei, crime", declarou. 

Visualizar esta foto no Instagram.

Esperei pacientemente todo o processo para exibir alguns “comentários” feitos por eleitores do presidente eleito. Em todas as minhas redes fui bombardeada com todo tipo de coisa. Inclusive uma articulação feita por um deputado eleito aliado do novo presidente.É uma miscelânia de barbaridades. O dossiê está pronto e as autoridades à postos. Engana-se muito quem acha que a internet é uma “terra sem lei”. Discordar, debater, ter opinião contrária é da democracia, ofender, destratar, depreciar é para mim, falta de argumento e para a lei, crime. As ameaças de toda ordem, a mim e aos meus, não me acovardam e os pedidos de desculpas no privado não me comovem. O estado democrático de direito é soberano e continuará sendo. ❤️

Uma publicação compartilhada por ritabatista (@ritabatista) em

Notícias relacionadas

[Embasa nega favorecimento de empresas em contratos ]
Bahia

Embasa nega favorecimento de empresas em contratos 

Por Metro1 no dia 18 de Outubro de 2019 ⋅ 07:58 em Bahia

“As dispensas de licitações são previstas legalmente para garantir a continuidade da prestação de serviços essenciais para população", diz a empresa