Bahia

Secretário diz que governo quer diminuir evasão escolar e lamenta índice de reprovação na Bahia

Jerônimo Rodrigues defendeu que o Estado e os municípios operem em um "regime de colaboração" no tocante à educação

[Secretário diz que governo quer diminuir evasão escolar e lamenta índice de reprovação na Bahia]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Juliana Rodrigues no dia 30 de Abril de 2019 ⋅ 09:05

O secretário estadual de Educação, Jerônimo Rodrigues, afirmou, hoje (30), em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, que o governo pretende implementar um sistema que registre a presença e monitore o desempenho dos estudantes da rede estadual, a fim de evitar a evasão escolar.

Segundo o titular da pasta, os resultados insatisfatórios do Estado no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) se devem à evasão escolar e às taxas de reprovação, não a problemas na proficiência dos estudantes.

"Se estivéssemos olhando apenas a capacidade dos nossos estudantes em responder as questões, as provas, trabalhos, projetos, nós não estaríamos numa posição tão desfavorável. O problema é que o Ideb é composto por três indicadores e existem dois critérios que baixam a nossa nota. Um é a evasão, que é muito alta, e o outro é o indicador de reprovação. A Bahia ainda reprova muito. A gente não precisa ficar buscando culpados, se a culpa é da direção, da secretaria, do estudante. É todo um conjunto", analisou.

Rodrigues defendeu que o Estado e os municípios operem em um "regime de colaboração" no tocante à educação e classificou como "muito ruim" o plano do governo federal para a desvinculação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), repassado aos estados e municípios.

Notícias relacionadas

[Embasa nega favorecimento de empresas em contratos ]
Bahia

Embasa nega favorecimento de empresas em contratos 

Por Metro1 no dia 18 de Outubro de 2019 ⋅ 07:58 em Bahia

“As dispensas de licitações são previstas legalmente para garantir a continuidade da prestação de serviços essenciais para população", diz a empresa