Bahia

Comandante da PM diz que soltura de presos fez Bahia 'perder um semestre em um final de semana'

Coronel Anselmo Brandão aponta que Bahia conseguiu reverter resultado negativo após decisão do CNJ de relaxar prisões por conta da pandemia

[Comandante da PM diz que soltura de presos fez Bahia 'perder um semestre em um final de semana']
Foto : Metropress

Por Matheus Simoni no dia 08 de Junho de 2020 ⋅ 08:41

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Anselmo Brandão, comentou a resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que recomendou a retirada de detentos dos presídios com objetivo de evitar a propagação do coronavírus. Em entrevista a Mário Kertész hoje (8), durante o Jornal da Bahia no Ar da Rádio Metrópole, ele comentou que o mês de maio foi importante para garantir dados relevantes após o que chamou de 'explosão' no registro de crimes na Bahia.

"Quando começou a pandemia, temos algumas variáveis que a sociedade precisa saber. A questão do Judiciário. Tivemos uma liberação de mais de dois mil presos que foram para as ruas. O governador e o SSP falaram. Foi uma explosão no primeiro mês, 50 homicídios. Perdemos um semestre por conta de um final de semana. Foi uma coisa assombrosa. Líderes de facções liberados devido a uma resolução, não vou aqui criticar a Justiça, mas foi uma resolução do CNJ. A gente começou a operar forte. No mês de maio, graças deus conseguimos um resultado positivo", disse. 

Ainda segundo Brandão, parte da comunidade baiana não compreende a real situação do policial militar em meio à pandemia. "Às vezes a comunidade é muito ingrata conosco porque não sabe o quanto das nossas agruras para enfrentar essa criminalidade, que cresce e, por conta da questão da pandemia, muitos se aproveitam desse momento alegando questões de emprego para cometer delitos", declarou o comandante. 

Anselmo Brandão apontou a gravidade na questão da juventude em meio à criminalidade. Segundo ele, por conta do fechamento de escolas, muitos jovens estão em meio aos criminosos. O comandante citou "excessos" de policiais militares como problemas superados.

"As escolas fechadas e essa massa de adolescentes nessas periferias, vendo esses criminosos cometendo delitos, e a polícia ali é o ente que ponta que percebe todos os problemas e onde vem, às vezes, um comportamento de um policial que se excede em suas ações e as pessoas rotulam. Isso é pequeno para a gente, temos superado. Estamos com indicadores bem fortes de que estamos mantendo a ordem. Não estamos vendo situações que estão ocorrendo em outros estados da nação", declarou. 

Notícias relacionadas