Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Bahia

Fábrica de insulina na Bahia pode ser entregue em 3 anos, avalia secretário

Texto será votado nesta quarta por deputados estaduais

[Fábrica de insulina na Bahia pode ser entregue em 3 anos, avalia secretário]
Foto : Metropress

Por Lara Curcino no dia 25 de Agosto de 2020 ⋅ 09:20

 
O secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, disse hoje (25), em entrevista a Mário Kertész, na Rádio Metrópole, que o projeto para instituir a Companhia Baiana de Insulina será votado amanhã pela Assembleia Legislativa da Bahia. 
 
“É uma ação que vem sendo construída há três anos. A Bahiafarma conseguiu o contrato para o desenvolvimento produtivo com o Ministério da Saúde para incorporar as tecnologias e começar a fornecer a insulina a nível local. O projeto será votado amanhã pela Assembleia Legislativa da Bahia”, explicou o secretário. 
 
De acordo com o secretário, caso aprovado na AL-BA, a iniciativa ficará pronta em três anos, quando vai começar a entregar insulina “mais barato e mais rapidamente”. 
 
“Pela quantidade de diabéticos que temos, produzir insulina no país é uma questão de segurança nacional, sendo que 85% é distribuída pelo governo gratuitamente para o SUS. Então nós temos esse projeto, que prevê uma fábrica aqui na Bahia, com capital privado e investimento de R$ 200 milhões, e dentro de três anos essa estrutura vai entregar a substância por um preço mais barato e de uma forma mais rápida”, disse Vilas-Boas. 

Na avaliação do gestor, a construção da fábrica vai garantir uma posição de destaque na Bahia no cenário mundial. 
 
“A gente sabe que a próxima guerra vai ser de patentes, de controle tecnológico. Não apenas da comunicação de dados, mas também dos tratamentos das doenças, das pandemias, entre outros. Atualmente, existem apenas quatro fabricantes de insulina no mundo, é um cartel. Toda vez que alguém tenta produzir, eles cortam. Assim aconteceu aqui no Brasil com a falida Biobrás. E se uma empresa dessa diz 'não vou mais fornecer' em 60 dias 12 milhões de diabéticos estarão mortos no Brasil”, afirmou ele.

Notícias relacionadas