Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil

Com 117% dos leitos ocupados, prefeita de Bauru e parentes organizam cultos presenciais em igreja da família

Suéllen Rosim e seus familiares abriram as portas da Mipe, igreja evangélica que comandam na região

[Com 117% dos leitos ocupados, prefeita de Bauru e parentes organizam cultos presenciais em igreja da família]
Foto : Reprodução

Por Augusto Romeo no dia 08 de Abril de 2021 ⋅ 07:47

Nos dias em que a taxa de ocupação de leitos de UTI na cidade de Bauru, em São Paulo, estourou o limite - 117% nesta quarta-feira (7) - a prefeita Suéllen Rosim (Patriota) e sua família decidiram abrir as portas da igreja que comandam para culto presencial. A Mipe (Ministério Produtores de Esperança) é uma igreja evangélica neopentecostal que tem a mãe da prefeita, a bispa Lúcia Rosim, como líder na região.

No domingo (4), um dia após o ministro do STF Kássio Nunes Marques liberar cultos e missas presenciais, a família Rosim abriu a igreja para celebração ministrada pela bispa. A prefeita, crítica das medidas de isolamento social recomendadas pela ciência, marcou presença. Nesta terça (6), a bispa Lúcia disse que na sexta-feira (9) abrirá para culto presencial outra filial da Mipe que sua família comanda, em Birigui (SP), a 175 km de Bauru. Procurada, a prefeita não se manifestou.

Suéllen Rosim tem questionado continuamente as medidas de restrição para contenção da pandemia impostas pelo governo do São Paulo, o que a levou a ser acusada de negacionismo e de fazer vassalagem a Jair Bolsonaro por João Doria (PSDB-SP). Lideranças evangélicas têm dito que não há uma orientação geral para seguir e cada corrente poderá decidir por conta própria se deve ou não realizar cultos presencialmente.

Notícias relacionadas