Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Quinta-feira, 23 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Brasil

/

Mauro Vieira minimiza tom moderado usado pelo Itamaraty para se referir ao ataque do Irã contra Israel

Brasil

Mauro Vieira minimiza tom moderado usado pelo Itamaraty para se referir ao ataque do Irã contra Israel

Durante o sábado e domingo foram divulgadas mais informações sobre o ataque do Irã, mas o Ministério das Relações Exteriores brasileiro até agora não soltou um documento oficial condenando a ação de Teerã

Mauro Vieira minimiza tom moderado usado pelo Itamaraty para se referir ao ataque do Irã contra Israel

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por: Metro1 no dia 15 de abril de 2024 às 17:02

Atualizado: no dia 15 de abril de 2024 às 17:46

O chanceler Mauro Vieira foi questionado nesta segunda-feira (15) sobre o tom mais moderado usado pelo Itamaraty para se referir ao ataque do Irã contra Israel no sábado (13), diferente de quando Israel bombardeou a Embaixada iraniana em Damasco, na Síria, no início de abril. O chefe do Itamaraty minimizou a diferença entre as duas notas, afirmando que no fim de semana as informações ainda seriam escassas.

Durante o sábado e domingo foram divulgadas mais informações sobre o ataque do Irã, mas o Ministério das Relações Exteriores brasileiro até agora não soltou um documento oficial condenando a ação de Teerã. O comunicado foi atualizado às 10h16 desta segunda, e segue sem condenar os envolvidos.

Em nota divulgada sobre o episódio no sábado (13), o Itamaraty afirmou que o governo brasileiro acompanhava o caso com “grave preocupação”. Mas o texto não condenou a ofensiva iraniana. Já no caso do ataque israelense, o Itamaraty optou por usar a expressão "condena", de forte apelo diplomático, embora não tenha atribuído o episódio a Israel. A ofensiva deixou 8 mortos, dentre eles o líder da Guarda Revolucionária do Irã, general Mohammad Reza Zahedi.

O ataque iraniano era esperado, pois o país havia prometido retaliar os israelenses pelo bombardeio que matou 8 pessoas na embaixada do Irã em Damasco (Síria), em 1º de abril, incluindo um general da Guarda Revolucionária. Os países culparam Israel, apesar de o país não ter assumido a responsabilidade. Segundo as FDI (Forças de Defesa de Israel), cerca de 300 drones e mísseis foram lançados pelo Irã. Israel afirma que caças do país e de aliados, como EUA e Reino Unido, e o sistema de defesa Domo de Ferro interceptaram 99% dos alvos aéreos.