Brasil

Projeto para combater a pedofilia é aprovado pelo Senado

Foi aprovado na última terça-feira (14) no plenário do Senado, uma nova medida para combater a pedofilia. A proposta visa facilitar a punição de crimes sexuais praticados contra crianças e adolescentes pela internet. Agora, o texto segue para análise da Cãmara dos Deputados. O projeto determina que provedores de internet e empresas de telecomunicações do Brasil [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução

Por Gabriel Nascimento no dia 15 de Julho de 2015 ⋅ 10:30

Foi aprovado na última terça-feira (14) no plenário do Senado, uma nova medida para combater a pedofilia. A proposta visa facilitar a punição de crimes sexuais praticados contra crianças e adolescentes pela internet. Agora, o texto segue para análise da Cãmara dos Deputados. O projeto determina que provedores de internet e empresas de telecomunicações do Brasil armazenem os dados de seus usuários por ao menos três anos. As operadoras de redes sociais ficam obrigadas a manter estas informações por seis meses.

O projeto surgiu na CPI da Pedofilia no ano de 2008, com a necessidade de assegurar a armazenagem e o acesso rápido aos dados de quem praticar o crime. A proposta estipulou ainda prazos para que os provedores respondam aos requerimentos de investigação, que pode ser de duas horas, em casos de risco iminente à vida, ou de até três dias em casos menos graves.

Notícias relacionadas

[Cresce número de brasileiros que defendem democracia]
Brasil

Cresce número de brasileiros que defendem democracia

Por Kamille Martinho no dia 27 de Janeiro de 2020 ⋅ 20:30 em Brasil

Entre 2018 e 2019, o número cresceu de 56,2% para 64,8%, segundo pesquisa do Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação

[Brasil vai assinar dois acordos de defesa com a Índia]
Brasil

Brasil vai assinar dois acordos de defesa com a Índia

Por João Brandão no dia 26 de Janeiro de 2020 ⋅ 18:30 em Brasil

O Brasil está na fase final de negociação de dois acordos de defesa com a Índia, que serão assinados nos próximos meses pelo ministro da pasta, Fernando Azevedo