Brasil

Historiador desconstrói ideia de que Conselheiro foi "milenarista paranoico"

O historiador, professor e escritor Pedro Lima Vasconcellos foi entrevistado por Mário Kertész, na Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (23), e comentou o trabalho de transcrição de escritos do líder de Canudos para o livro "Antonio Conselheiro por Ele Mesmo". A obra, dividida em dois volumes, traz o conteúdo de documentos do próprio Conselheiro guardados há pelo menos 120 anos e revela uma face inédita do homem. [Leia mais...]

[Historiador desconstrói ideia de que Conselheiro foi
Foto : Divulgação

Por Gabriel Nascimento no dia 23 de Março de 2017 ⋅ 08:31

O historiador, professor e escritor Pedro Lima Vasconcellos foi entrevistado por Mário Kertész, na Rádio Metrópole, na manhã desta quinta-feira (23), e comentou o trabalho de transcrição de escritos do líder de Canudos para o livro "Antonio Conselheiro por Ele Mesmo". A obra, dividida em dois volumes, traz o conteúdo de documentos do próprio Conselheiro guardados há pelo menos 120 anos e revela uma face inédita do homem.

"Eu costumo dizer que, se Euclides da Cunha tivesse tido acesso a esse material na época que escrevia "Os Sertões", o livro dele seria outro. Ele não conheceu pessoalmente o Conselheiro, não conheceu a veia autoral. O que vamos encontrar nesse box é alguém que se expressa de maneira adequada, elaborada e muito cuidadora. Preciso em relação aos ideais que ele gostaria que fossem implantados em Belo Monte", disse descartando a expressão "milenarista paranoico". "A imagem que a gente tinha dele de 'Conselheiro do fim do mundo', é completamente ausente desse material", acrescentou.  

O historiador classificou o material como de "primeiríssima importância". "É um trabalho muito importante, tem um conjunto de anotações, reflexões produzidos por Conselheiro. Esse material finalmente vem a público, o acesso era restrito. Fiz um estudo, uma primeira abordagem me perguntando sobre o significado de cada conteúdo", afirmou.

"O primeiro [volume] traz a transcrição, o caderno de anotações, notas, comentários, pensamentos e caligrafia de Conselheiro. Já no segundo, apresento meu entedimento da relevância da significância desse material", finalizou.

 

Notícias relacionadas

[Casa Geyer deve ser reaberta em 2022]
Brasil

Casa Geyer deve ser reaberta em 2022

Por Metro1 no dia 21 de Agosto de 2019 ⋅ 11:00 em Brasil

Diretor do Museu Imperial de Petrópolis, para onde o imóvel foi doado, Manoel Vicente prevê abertura do imóvel para o Bicentenário da Independência