Brasil

Brasil tem cerca de 2,5 milhões de crianças fora da escola

O Brasil aumentou, nos últimos dez anos, o acesso de parcelas mais vulneráveis da população à escola. No entanto, os dados de 2015 mostram que o país ainda tem 2.486.245 crianças e jovens de 4 a 17 anos fora da escola. A maior parte tem de 15 a 17 anos, são 1.543.713 jovens que não frequentam as salas de aula. [ Leia mais…]

[Brasil tem cerca de 2,5 milhões de crianças fora da escola]
Foto : ONU

Por André Teixeira no dia 05 de Abril de 2017 ⋅ 10:49

O levantamento do movimento Todos pela Educação (TPE), divulgado nesta quarta-feira, mostra que o Brasil aumentou, nos últimos dez anos, o acesso de parcelas mais vulneráveis da população à escola. Na Bahia 94% de crianças e adolescentes de 4 a 17 anos estão matriculados.

No entanto, os dados de 2015, mostram que o país tem 2.486.245 crianças e jovens de 4 a 17 anos fora das salas de aula. A maior parte tem de 15 a 17 anos - são 1.543.713 jovens que não frequentam os colégios. Na Bahia existem 211 mil pessoas dessa faixa etária fora do ambiente escolar.

O estudo revela ainda alguns avanços: 'De 2005 a 2015, o acesso daqueles que têm de 4 a 17 anos aumentou principalmente entre a população parda e negra, entre os de baixa renda e entre moradores do campo'.

Em matéria publicada pelo Correio, o gerente-geral do movimento Todos Pela Educação, Olavo Nogueira Filho, diz que estes dados revelam 'que a questão do acesso à escola não foi superada, como defendem alguns especialistas'.

A pesquisa feita com base nos dados do Pnad - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio mostra que 'entre os mais pobres, em 2005, 86,8% estavam na escola, contra 97% dos mais ricos. Em 2015, esses índices passaram, respectivamente, para 93,4% e 98,3%'.

Para os que moram no campo, o acesso subiu de 83,8% para 92,5%, enquanto a taxa dos moradores de zonas urbanas passou de 90,9% para 94,6%. Já o crescimento do acesso entre negros e pardos - que passou, respectivamente, de 87,8% para 92,3% e de 88,1% para 93,6% - foi maior que o da população branca - que passou de 91,2% para 95,3%.

Notícias relacionadas